Atléticanos fazem festa em Minas

A permanência na Série A do Campeonato Brasileiro foi comemorada como um título pelos atleticanos. A vitória por 3 a 0 sobre o São Caetano, neste domingo, no Estádio do Mineirão, garantiu o clube mineiro na primeira divisão da competição nacional. Deverá assegurar também a permanência do técnico Procópio Cardoso no comando da equipe em 2005.Ao final do jogo, o treinador, de 65 anos, não segurou a emoção e foi às lágrimas. Ele atribuiu a vitória à torcida e à garra dos jogadores em campo. "Isso (queda para a Série B) seria uma mácula muito grande". "É praticamente certa a permanência do Procópio no ano que vem, por mérito dele", disse o presidente do clube, Ricardo Guimarães.O trabalho do técnico na reta final da competição foi elogiado também pelos atletas. "Ele chegou e deu alegria para o grupo. Esperamos que ele permaneça no ano que vem", afirmou o lateral Rubens Cardoso.O Galo conseguiu escapar do maior vexame de sua história justamente no dia em que completava-se 33 anos da conquista do primeiro Campeonato Brasileiro, em 1971. E o clima no Mineirão era mesmo de decisão. Quando o árbitro Sérgio Carvalho da Silva apitou o final da partida, os jogadores do Atlético passaram a comemorar e depois se reuniram para uma oração ainda no gramado. "Graças a Deus, tiramos um enorme peso da consciência", desabafou o goleiro Danrlei, ovacionado pelos torcedores. "É uma torcida maravilhosa", retribuiu. "Se vier sempre assim para o estádio, o Galo não perde uma dentro de casa".Outro que estava nas graças dos torcedores era o atacante Alex Mineiro, autor dos dois primeiros gols. "Fico bastante feliz de ter feito os gols num momento tão decisivo. Nunca deixamos de ter fé, mesmo na crise".Autocrítica - No entanto, em meio à comemoração, houve espaço para a autocrítica. "Sem dúvida é para ficar aliviado. Mas era uma situação que a gente não precisava estar passando. Não vai se repetir mais. Nós vamos fazer um time bem diferente para o ano que vem", prometeu o presidente do Atlético.Procópio também lembrou que o momento não era de festa. "Não há que se comemorar nada. Não somos campeões de nada. Há a alegria de permanecer na primeira divisão, mas há que se repensar tudo para o ano que vem". Questionado nos vestiários, o técnico não confirmou se permanecerá no comando do time em 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.