Juan Medina/Reuters
Juan Medina/Reuters

Atlético de Madrid ameaça processar Barcelona por coação a Griezmann

Clube catalão está disposto a pagar a multa rescisória de 100 milhões de euros (cerca de R$ 422 milhões)

Estadão Conteúdo

08 de maio de 2018 | 20h58

O Atlético de Madrid destacou nesta terça-feira em seu site oficial nota em que demonstra indignação contra o Barcelona. O diretor Angel Gil Marín disse estar revoltado com a insistência do clube catalão em tentar contratar o atacante Griezmann e ameaçou ir à Justiça para pedir indenização.

+ Confira a tabela do Campeonato Espanhol

"Estamos fartos da atitude do Barcelona. Que um presidente, um jogador e um diretor do clube falem sobre o futuro de um jogador que tem contrato em vigor e a poucos dias de jogar a final de uma competição europeia me parece uma absoluta falta de respeito com o Atlético de Madrid e com todos os seus torcedores", escreveu.

De acordo com a nota do Atlético de Madrid, o Barcelona tem procurado o agente do jogador e estaria disposto a pagar a multa rescisória de 100 milhões de euros (cerca de R$ 422 milhões). O time madrilenho, no entanto, disse que o atleta não está à venda.

"Em nenhum momento negociamos o Griezmann e não temos nenhuma intenção de fazer isso. Pessoalmente manifestei há uns meses ao presidente do Barcelona que os direitos do jogador não estão à venda e nem vamos vendê-lo", prosseguiu.

O Atlético de Madrid está na decisão da Liga Europa. A final do torneio está marcada para o dia 16, contra o Olympique de Marselha, em Lyon, na França. A equipe ainda tem dois jogos do Campeonato Espanhol para disputar - no sábado, visita o Getafe, e no dia 19 recebe o Eibar.

"Também disse (ao presidente do Barcelona) que caso supostamente o jogador exerça seu direito de rescisão como consequência da pressão exercida durante toda esta temporada, o Atlético de Madrid exigirá do Barcelona nas instâncias correspondentes as indenizações que correspondam por sua conduta inadequada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.