Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Atlético entra com ação para cobrar os R$ 10 milhões da ida de Fred ao Cruzeiro

Contrato assinado pelo jogador com o Galo previa multa caso o atacante trocasse o clube pelo rival

Estadão Conteúdo

26 Janeiro 2018 | 15h10

A paciência do Atlético-MG acabou e, agora, o "caso Fred" será decidido na Justiça. Nesta sexta-feira, o clube alvinegro informou que entrou com uma ação para cobrar os R$ 10 milhões da multa referente à ida do atacante para o rival Cruzeiro neste início de ano.

Jogadores do Cruzeiro elogiam Fred e minimizam jejum de gols do atacante

"O Clube Atlético Mineiro confirma que ingressou com ação de execução na Câmara Nacional de Resolução de Disputas da CBF contra o Sr. Frederico Chaves Guedes (Fred), cobrando a multa de R$ 10.000.000 (dez milhões de reais) assumida em contrato firmado com o Atlético e que não foi cumprida", anunciou.

O Atlético-MG sequer citou o nome do Cruzeiro na nota e explicou que a ação foi movida contra Fred, uma vez que o atacante foi quem assinou com o clube alvinegro o compromisso que previa a multa em questão.

No acordo de rescisão firmado entre Fred e o Atlético-MG, no dia 22 de dezembro do ano passado, o clube alvinegro estipulou uma multa de R$ 10 milhões em caso de transferência do atacante para o Cruzeiro, justamente para inibir um possível acerto do jogador com o rival.

Mesmo sabedor disso, o Cruzeiro decidiu abrir negociação com o atacante e anunciá-lo um dia depois. Na época, a própria diretoria do clube reconheceu a cláusula referente à multa e a tratou com naturalidade. O valor, então, deveria ter sido quitado no dia seguinte à regularização do atleta junto à CBF, o que não ocorreu.

O Cruzeiro chegou a assumir a responsabilidade de pagar a multa, mas decidiu repassar o caso para estudo de seu departamento jurídico, que analisaria uma possível regularidade na cláusula. Na semana passada, o clube celeste decidiu prorrogar a decisão sobre o caso, o que irritou o Atlético-MG e motivou a ação movida nesta sexta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.