Sascha Steinbach/EFE
Sascha Steinbach/EFE

Atlético faz 4 a 2 no Leverkusen na Alemanha e fica perto das quartas

Resultado dá vantagem confortável ao time espanhol para a volta

Gabriel Melloni, Estadao Conteudo

21 Fevereiro 2017 | 18h50

O Atlético de Madrid colocou um pé nas quartas de final da Liga dos Campeões nesta terça-feira, com uma grande vitória na Alemanha sobre o Bayer Leverkusen. Os comandados de Diego Simeone pareciam se sentir em casa, dominaram a maior parte dos 90 minutos e saíram de campo com um contundente 4 a 2.

O resultado dá ao Atlético vantagem mais do que confortável para a volta, dia 15 de março, no Vicente Calderón. A equipe pode até perder por 2 a 0 ou 3 a 1 que estará nas quartas do torneio europeu mais uma vez. Ao Leverkusen, resta sonhar com um triunfo por três gols de diferença na casa do adversário, ou por dois, desde que o placar seja superior a 4 a 2.

Finalista em duas das três últimas edições, o Atlético de Madrid se classificou para as últimas três quartas de final da Liga dos Campeões, mas ainda busca seu primeiro título no torneio. Já o Leverkusen sonha com uma improvável reviravolta para salvar uma temporada decepcionante até o momento, já que é o oitavo colocado do Campeonato Alemão.

O JOGO

Mesmo fora de casa, o Atlético surpreendeu o Leverkusen com a postura ofensiva e dominou o primeiro tempo. Aos 11 minutos, quase marcou o primeiro em lance infeliz de Wendell. Após cruzamento de Filipe Luis da esquerda, o brasileiro ex-Grêmio pegou mal ao tentar afastar e acertou o travessão.

A pressão não diminuiu, e somente cinco minutos depois saiu o primeiro do Atlético. Em rápido contra-ataque, Saúl Ñíguez recebeu pela direita, invadiu a área e cortou o zagueiro antes de bater colocado. A bola ainda desviou em Dragovic e encobriu o goleiro.

Dragovic era o elo mais fraco da defesa alemã, e o Atlético se aproveitou dele para ampliar. Aos 24, o zagueiro tentou recolocar a bola no ataque, mas pegou mal e jogou para trás. Gameiro acreditou e puxou contra-ataque. Esperto, esperou a passagem de Griezmann, brecou e tocou para o francês bater com estilo, sem chance para Leno.

O Leverkusen assistia ao show do Atlético e só ameaçou o gol de Moyá em um chute de longe, que o goleiro espalmou. Griezmann, do outro lado, ainda perdeu grande oportunidade na reta final, e o intervalo trouxe a sensação de alívio para os donos da casa, mesmo com a desvantagem, tamanha a pressão espanhola.

O alívio se transformou em esperança para o Leverkusen logo aos três minutos da etapa final, quando Bellarabi recebeu ótimo passe de Henrichs e aproveitou rara falha na defesa adversária para marcar. A resposta veio logo no minuto seguinte. Gameiro recebeu na área e bateu firme de canhota, acertando a junção da trave com o travessão.

O Atlético insistiu na busca pelo terceiro gol, e ele veio aos 12 minutos, novamente em lance infeliz de Dragovic. Gameiro recebeu pela direita e colocou entre as pernas do zagueiro, que puxou o francês fora da área. O árbitro marcou pênalti, e o próprio Gameiro chutou no meio do gol para marcar.

Sem nada a perder àquela altura, o Leverkusen se lançou mais uma vez ao ataque e deu sorte para diminuir. Aos 22, Brandt cruzou rasteiro da esquerda, Moyá tentou tirar e acertou Savic, que marcou contra. O empate quase veio aos 35, quando Chicharito Hernández recebeu na área, dominou e bateu cruzado. A bola passou por Moyá, mas Filipe Luis tirou em cima da linha.

Quando os donos da casa pressionavam, o Atlético aproveitou uma rara escapada nos últimos minutos para matar o jogo. Aos 40 minutos, Vrsaljko foi à linha de fundo e cruzou. Desta vez foi Toprak quem bobeou e apenas assistiu ao espanhol Fernando Torres cabecear para a rede.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.