Atlético-MG ainda sonha com a Libertadores

Depois de acompanhar bem de perto o maior rival conquistar o inédito título do Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG - até então o único time mineiro que detinha o troféu, conquistado em 1971, ano de criação da competição nacional -, espera pelo menos terminar a temporada cheia de altos e baixos com uma vaga na Libertadores de 2004. Das quatro competições que disputou em 2003, o Galo não conseguiu o título em nenhuma. Mas, para se classificar para a competição sul-americana, o alvinegro precisa vencer sua última partida e torcer por tropeços de Coritiba e São Caetano. A tarefa não será fácil. Porém, para quem por diversas vezes na competição, foi beneficiado pelos resultados dos concorrentes diretos, assim como aconteceu na última rodada, não custa nada manter as esperanças. Os jogadores já sabem o que fazer. Para conseguir sua vaga na mais importante competição de clubes do continente, o Galo terá, antes de mais nada, que vencer o Goiás, oitavo colocado e sem chances de classificação, no confronto que será realizado em Ipatinga, no interior de Minas. Ao mesmo tempo, ficar de olho nas partidas de São Caetano e Coritiba. Os mineiros torcem por um empate nas duas partidas dos adversários que enfrentam Internacional e Criciúma, respectivamente. Um dos mais esperançosos no Atlético é justamente aquele que acumula o maior número de experiências no futebol em todo o clube. Contratado para comandar o Galo nas cinco últimas partidas do Brasileiro, substituindo a Marcelo Oliveira, o veterano técnico Procópio Cardoso Neto não deixa de acreditar até o final da competição na possibilidade de o time conseguir a vaga. "Temos de ter fé em Deus e acreditar até o final. No futebol é assim mesmo. A cada rodada é uma história. Assim como o Goiás, que também era um adversário direto ficou para trás, as outras equipes também podem tropeçar. E se isso acontecer, precisaremos também fazer nossa parte", explicou o treinador. Para o experiente goleiro Velloso, que ao contrário da maior parte do irregular elenco atleticano, manteve um equilíbrio durante toda a competição, a conquista da vaga na Libertadores seria um prêmio para o torcedor que acompanhou e sofreu com o time ao longo do ano. Por isso, conforme o goleiro, os jogadores devem fazer sua parte e acreditar também até o final. "É tudo muito sofrido no Atlético. É tudo muito difícil. Mas, como ganhamos com dez e com um gol no final, na última rodada, pode ser um indício de que as coisas começaram a mudar. Por isso, acho que devemos ir para a última rodada com a consciência de que devemos brigar até o último minuto pela classificação. Afinal de contas, a chama reacendeu no Galo", destacou Velloso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.