Pedro Mattos / Site Oficial / América-MG
Pedro Mattos / Site Oficial / América-MG

Atlético-MG aposta no fator casa para manter vantagem e Botafogo busca superação

Primeira partida, no Rio, terminou 1 a 0 para a equipe mineira

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

31 de julho de 2019 | 07h06

O confronto brasileiro das oitavas de final da Copa Sul-Americana será definido nesta quarta-feira com o Atlético-MG em vantagem. Após vencer o jogo de ida por 1 a 0, no Rio de Janeiro, o time recebe o Botafogo a partir das 21h30, no estádio Independência, em Belo Horizonte, com a intenção de ficar entre os oito participantes da próxima etapa do torneio continental.

O triunfo no Rio deixou o Atlético-MG com a vantagem de só precisar de um empate para se classificar na Sul-Americana. Já o Botafogo terá de vencer em Belo Horizonte, sendo que o único resultado positivo que não assegura a passagem de fase é o 1 a 0, o que levaria a série para a disputa de pênaltis. E independentemente de quem avançar, o adversário já está definido: o colombiano La Equidad.

A vantagem adquirida no primeiro compromisso e o retrospecto no Independência impulsionam o Atlético-MG para o duelo de volta. Afinal, o time ainda não perdeu no estádio nesta temporada, com 11 vitórias e seis empates, desempenho que, se repetido, colocará a equipe nas quartas de final da Sul-Americana.

Essa invencibilidade é importante para o Atlético-MG deixar para trás um trauma deste ano, pois, mesmo sem derrotas, o time caiu para o rival Cruzeiro na decisão do Campeonato Mineiro e nas quartas de final da Copa do Brasil no Independência.

Invicto há cinco jogos em 2019, o Atlético-MG tem tratado as competições mata-mata como prioridade no segundo semestre, tanto que ainda não atuou com a força máxima na retomada do Campeonato Brasileiro, ainda que só tenha poupado a dois titulares no último domingo, no empate por 0 a 0 contra o Goiás: o volante Jair e o centroavante Ricardo Oliveira.

O meio-campista conquistou recentemente a vaga na equipe, após se destacar no triunfo por 2 a 0 sobre o Cruzeiro pela Copa do Brasil, e sofre com o desgaste físico, enquanto que o centroavante ganhou descanso para tentar superar a má fase. Sem marcar um gol desde 27 de abril, chegou a perder a titularidade, condição recuperada no duelo de ida com o Botafogo, quando desperdiçou chances claras e completou a 13.ª partida consecutiva sem ir às redes.

Ainda assim, o técnico Rodrigo Santana decidiu apostar mais uma vez nele, por sua experiência, sendo que Ricardo Oliveira respondeu com dois gols em jogo-treino na última segunda-feira. "O Botafogo é uma equipe qualificada, tem jogadores de grande nome lá, que são decisivos. Então, que a gente possa entrar ligado para fazer um grande jogo e conseguir essa classificação, que é importantíssima", disse Vinicius, que segue na formação titular, pois Cazares está com conjuntivite.

Além de estar em desvantagem, o Botafogo atuará em um momento complicado. Afinal, o time não vence há cinco jogos nesta temporada. E essa série foi em boa parte construída pela baixa produção ofensiva, tanto que o time não havia feito gols nessa sequência até a derrota por 3 a 2 para o Flamengo, no último domingo, pelo Brasileirão.

O revés não melhorou o cenário, mas ao menos a atuação trouxe algum alento ao técnico Eduardo Barroca, que destacou o maior espírito de luta exibido pelos jogadores do Botafogo. E será buscando a superação que o time vai jogar em Belo Horizonte, especialmente por causa dos problemas defensivos.

Embora esteja com quatro zagueiro inscritos na Sul-Americana, o Botafogo só tem um - Marcelo - à disposição para o duelo contra o Atlético-MG. Isso se dá porque o argentino Joel Carli foi expulso no jogo de ida, Gabriel não pode atuar por acordo com o clube mineiro e Helerson foi emprestado recentemente ao português Estoril.

A ausência de zagueiros provocará uma improvisação inusitada no Botafogo, com o meio-campista Cícero sendo escalado na defesa. E essa alteração vai abrir espaço para Bochecha receber uma oportunidade de Barroca no meio de campo. Além disso, Gilson, que estava suspenso contra o Flamengo, retomará a sua vaga na lateral esquerda botafoguense.

Com tantas dificuldades, ao menos o Botafogo tem o retrospecto como aliado, pois avançou nos últimos seis mata-matas contra o Atlético-MG, não caindo para a equipe mineira desde as quartas de final do Brasileirão de 1994.

"A gente tem bastante confiança que o trabalho está sendo feito, temos nos esforçado ao máximo e dentro do futebol nós sabemos que quando damos o nosso máximo as coisas viram ao nosso favor. Temos que continuar acreditando e trabalhando forte que isso vai mudar", disse João Paulo, confiante que o Botafogo deixará para trás a má fase no jogo decisivo desta quarta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.