Bruno Cantini / Atlético-MG
Bruno Cantini / Atlético-MG

Atlético-MG descarta reforços após classificação e confirma volta ao Mineirão

Presidente Sergio Sette Câmara afirma que uma possível inscrição de novos jogadores deve ser difícil

Redação, Estadão Conteúdo

28 de fevereiro de 2019 | 13h42

A conquista da vaga na fase de grupos da Copa Libertadores, assegurada com o empate por 0 a 0 com o Defensor, leva o Atlético Mineiro a acelerar o seu planejamento e a tomar decisões para a sequência da temporada. Mas o torcedor não deve esperar a chegada de reforços para os próximos dias, como indicou o presidente do clube, Sergio Sette Câmara.

A direção do Atlético-MG monitora o mercado para solucionar carências do seu elenco, o que inclui a chegada de um lateral-esquerdo. E também observa o volante Jobson, que está no Red Bull Brasil. Mas nenhuma nome será anunciado antes da inscrição para a fase de grupos da Libertadores.

"Nós até tentamos e estamos conversando algumas situações, mas para a inscrição vai ser muito difícil. Eu acredito que para a fase de grupos, a gente não vai conseguir trazer nenhum reforço. Vamos inscrever mesmo os atletas que estão no nosso elenco", disse.

A participação na próxima etapa do torneio continental também deverá trazer uma novidade para o Atlético-MG nos jogos como mandante. O clube pretende realizar os seus compromissos em casa no Mineirão, a começar pelo confronto da próxima quarta-feira com o Cerro Porteño. Mas Sette Câmara destacou que a diretoria ainda espera o aval da Conmebol.

"Os clubes têm que informar onde vão jogar, e apontamos o Independência (antes do início da Libertadores). A minha vontade e de toda a diretoria é de mandar o jogo no Mineirão. Fizemos o encaminhamento pedindo à Conmebol para mandar os jogos no Mineirão, mas só podemos com a autorização", afirmou.

A decisão significa uma mudança de postura do Atlético-MG, que em 2018 não atuou como mandante no Mineirão. E Sette Câmara explicou que a postura do América-MG, proprietário do estádio, que exige a exibição do seu escudo na fachada do estádio tem relação direta com essa definição. Além disso, adiantou que o confronto entre os times pelo Campeonato Mineiro, em 17 de março, também será no Mineirão, por causa de exigências da direção americana sobre vestiários e uso de setores pelas torcidas mesmo sendo visitante.

"Sei que é da vontade do torcedor que o Atlético jogue no Mineirão, e a gente vem encontrando dificuldades no Independência. Esse tipo de situação vem nos incomodando muito. Também por esse motivo, vamos começar a mandar jogos no Mineirão. Estamos encaminhando para jogar contra o América no Mineirão também. O (Marcus) Salum (presidente do América-MG), ano passado, abriu mão da questão de arquibancada, mas é uma tendência o Atlético começar a mudar sua casa para o Mineirão", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.