Bruno Souza / Atlético-MG
Bruno Souza / Atlético-MG

Atlético-MG embolsará R$ 146,9 milhões em premiações no ano se confirmar o título da Copa do Brasil

Time de Cuca tem boa vantagem na competição, a última da temporada, após fazer 4 a 0 na ida sobre o Athletico-PR; receitas dos jogos como mandante também serão importantes para fortalecer as contas do clube, que pode festejar a tríplice coroa

Daniel Reis, especial para o Estadão

14 de dezembro de 2021 | 10h00

Após golear o Athletico-PR por 4 a 0, no primeiro jogo da final, o Atlético-MG está próximo de conquistar a Copa do Brasil pela segunda vez em sua história - a primeira ocorreu em 2014. Caso confirme o título no Paraná, o clube receberá R$ 56 milhões de premiação. Com os R$ 90,9 milhões já obtidos em prêmios ao longo da temporada, o Galo fechará o ano com um saldo de R$ 146,9 milhões em premiações em 2021. O time de Cuca já ganhou o Estadual e o Brasileirão.

Nesta quarta-feira, a equipe mineira visita o Athletico-PR, na Arena da Baixada, e pode perder por até três gols de diferença para ficar com o título nacional. O jogo encerra a temporada. O campeão embolsará R$ 56 milhões pelo título, pagos pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Somados aos R$ 15,1 milhões de premiações referentes às outras fases do torneio disputadas pelos finalistas, o valor atinge R$ 71,1 milhões. Já o vice-campeão receberá R$ 23 milhões, totalizando R$ 38,1 milhões durante a campanha.

A quantia máxima em premiação que poderia ser alcançada por um clube na Copa do Brasil é de R$ 73,6 milhões. No entanto, por terem disputado a Libertadores deste ano, ambos os finalistas começaram o torneio na terceira fase. Logo, não ganharam as cotas das duas primeiras etapas, estipuladas neste ano em R$ 2,6 milhões.    

A conquista do Campeonato Brasileiro, após jejum de 50 anos, já rendeu R$ 33 milhões aos cofres do clube, também pagos pela CBF. Ao perder para o Grêmio por 4 a 3, em Porto Alegre, o Atlético terminou o campeonato com 84 pontos. O bicampeonato já havia sido garantido após a vitória diante do Bahia, na Fonte Nova, em jogo adiado da 32ª rodada.

Na Copa Libertadores, a eliminação diante do Palmeiras nas semifinais frustrou as expectativas do time comandado pelo técnico Cuca de também avançar numa competição importante no calendário do futebol brasileiro. No entanto, a Conmebol repassou ao Atlético US$ 7,5 milhões em premiações (cerca de R$ 42,8 milhões na cotação atual).

Apesar da conquista do Campeonato Mineiro, o Atlético não recebeu nenhuma gratificação em dinheiro da organização do torneio estadual. Após empatar os dois jogos da final contra o América, ambos por 0 a 0, o alvinegro venceu a disputa. Cuca usou o torneio para preparar seu time ao restante da temporada. Foi nessa época que ele e o atacante Hulk se entranharam. O jogador chegou a reclamar que tinha pouca sequência de partidas. A Federação Mineira de Futebol (FMF) não distribui premiação em dinheiro aos vencedores nesta temporada. 

ESTÁDIO CHEIO, DINHEIRO NO COFRE

Além das premiações, o campeão brasileiro também conseguiu uma boa renda como mandante ao longo do ano, quando a covid-19 passou a ser mais bem controlada por causa do avanço da vacinação no Brasil. Diante da pandemia, o clube passou grande parte da temporada jogando com os portões fechados, o que significou um prejuízo acumulado de R$ 1,6 milhão nos jogos em casa nas competições nacionais e no Estadual. No entanto, com a flexibilização das medidas contra o coronavírus, o cenário mudou.

O Atlético disputou 14 partidas com a presença de torcida no Mineirão neste ano, sendo a metade com a capacidade do estádio reduzida, entre agosto e outubro. No início de novembro, a prefeitura de Belo Horizonte liberou 100% da capacidade em jogos no Mineirão. Desde então, o Galo disputou mais sete partidas em casa, seis pelo Brasileirão e a final da Copa do Brasil domingo. Nesses sete jogos, a renda média líquida (após descontar taxas e despesas operacionais) foi de aproximadamente R$ 4,1 milhões por jogo, uma das maiores do País. 

Somando a receita dos jogos como mandante durante a temporada de 2021 (com exceção da fase de grupos e oitavas da Libertadores, que o clube não divulgou o custo para realização), o Atlético já faturou R$ 33 milhões. Na final da Copa do Brasil, os 53 mil torcedores garantiram renda líquida de R$ 6,7 milhões ao clube. Na temporada, o valor fica atrás apenas do jogo contra o Red Bull Bragantino. Naquela ocasião, 61.573 pagaram ingresso para ir ao Mineirão e o Atlético embolsou R$ 7,1 milhões líquidos.

O dinheiro obtido com premiações e renda dos jogos em casa são importantes para a sustentabilidade do ambicioso projeto do alvinegro. Com o apoio financeiro de empresários, o Atlético busca ser protagonista nas competições que disputa, objetivo alcançado em 2021. No entanto, precisa reduzir uma dívida de R$ 1,2 bilhão, a maior entre os times brasileiros. O clube também prepara a inauguração para o segundo semestre de 2022 do seu novo estádio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.