Atlético-MG enxuga folha de pagamento

A diretoria do Atlético-MG decidiu estipular um teto máximo de R$ 50 mil para os salários dos jogadores do clube, medida que, na prática, deverá fazer com que as duas principais estrelas do time, a dupla de atacantes Guilherme e Marques, sejam negociadas. ?Nós temos de colocar jogadores que têm uma longa folha de serviços prestados ao Atlético no mercado?, disse o presidente do Conselho deliberativo, Alexandre Kalil. Marques, que foi contratado pelo Atlético em 1997 e tem contrato até janeiro do próximo ano, e Guilherme, que chegou ao clube em 1999 e está emprestado até 2004, recebem juntos cerca de R$ 150 mil por mês. ?Com uma redução de salários desse nível, o que o clube tem de fazer, por tudo o que eles prestaram de serviços, é tentar encaixá-los em outros clubes?, ressaltou o dirigente. Guilherme, porém, preferiu deixar aberta uma possibilidade de permanência. ?É uma nova política do clube, mas eu ainda acho que é um salário excepcional??, afirmou. Os outros dois atletas que ganham acima de R$ 50 mil e que já foram liberados são o volante Djair e o lateral-esquerdo Rubens Júnior. De acordo com Kalil, a meta da diretoria atleticana é baixar drasticamente a sua atual folha de pagamento, de R$ 1,6 milhão para R$ 400 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.