Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Atlético-MG faz um pacto para reagir

O Atlético-MG promete dar uma reviravolta no Brasileiro, justamente quando enfrenta o líder isolado do campeonato.Em situação complicada na tabela, rondando a zona de rebaixamento, o time mineiro enfrenta neste sábado o Atlético-PR, às 16 horas, na Arena da Baixada."Estou dando a palavra que vamos ser um time diferente, de força, de pegada. O negócio vai mudar e tem que mudar é sábado. Não tem para semana que vem não", disse o volante Emerson.Durante a semana, já em Curitiba, os jogadores do Atlético se reuniram, discutiram eventuais erros e decidiram firmar um pacto por melhores resultados. "Nós conversamos entre nós, mas não pode é só falar da boca para fora, tem que mostrar é dentro de campo", alertou Emerson, que deverá ganhar mais uma chance como titular do time. O técnico Jair Picerni também não consegue esconder a irritação com a dificuldade de reação do Atlético. O time é o recordista de empates no Brasileiro - 15 ao todo - e está em 19º lugar, com 36 pontos. "Chega uma hora que a gente vai voltar a vencer, não é possível", desabafou o treinador. "É um mal que não é possível que vai durar tanto tempo. Nós precisamos sair dessa situação ridícula." Picerni, porém, deverá adotar um esquema cauteloso, com quatro volantes. Ele não poderá contar com Renato, Juninho e Alex Mineiro - todos suspensos pelo terceiro cartão amarelo - e treinou com um meio-campo formado por Emerson, Walker, Zé Antônio e Márcio Araújo. "Infelizmente essa é a situação", resignou-se o técnico.

Agencia Estado,

01 de outubro de 2004 | 18h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.