Atlético-MG implora apoio da torcida contra o Grêmio

Em situação dramática no Campeonato Brasileiro, o Atlético Mineiro entra em campo neste domingo contra o Grêmio com a obrigação de ganhar a qualquer custo para manter esperanças de permanecer na Série A da competição. A partida, válida pela 25.ª rodada do torneio, está marcada para as 18h30, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG).

MARCELO PORTELA, Agência Estado

26 de setembro de 2010 | 08h32

O time mineiro soma apenas 21 pontos e começou a rodada no antepenúltimo lugar. Além da má posição na tabela, a situação do clube é ainda mais delicada por causa da demissão de Vanderlei Luxemburgo, maior aposta do time para a temporada, após a derrota por 5 a 1 para o Fluminense, na quinta-feira. Na sexta, o presidente Alexandre Kalil confirmou a intenção do clube de contratar Dorival Júnior, fato concretizado neste sábado. Neste domingo, o time já será dirigido pelo novo comandante.

Para agravar o drama da falta de técnico, o Atlético ainda jogará desfalcado do volante Alê, que atuou em apenas três partidas com a camisa alvinegra, e do meia Diego Souza. Ambos foram expulsos na derrota para o Fluminense e cumprem suspensão automática. Diego Souza, inclusive, foi multado pelo time devido à expulsão, causada por uma "tesoura" no lateral-esquerdo Carlinhos. Além deles, os volantes Rafael Jataí e Fabiano e o meia Edison Mendez também estão fora da partida contra o Grêmio devido a lesões musculares.

O time apresenta uma das piores campanhas da competição, com 15 derrotas, três empates e apenas seis vitórias nos 24 jogos disputados até o momento. A equipe também tem a pior defesa, com 45 gols sofridos, e não tem possibilidade de deixar a zona de rebaixamento nem mesmo com uma vitória sobre o Grêmio.

Diante da situação, Kalil apelou ao apoio da torcida para o jogo contra o Grêmio. "Peço pelo amor de Deus para eles (torcedores) lotarem a Arena do Jacaré. Não adianta o presidente acreditar, se a torcida não for lá. Eu preciso que ela acredite, que tenha otimismo. Se é que eu tenho direito de pedir alguma coisa para a torcida do Atlético. Não estou pedindo para ninguém subir escada de joelhos. É só ir lá e nós vamos virar", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.