Bruno Cantini/Divulgação
Bruno Cantini/Divulgação

Atlético-MG luta para manter o embalo na Libertadores

Equipe visita o Arsenal nesta terça-feira disposto a repetir bom futebol da estreia

MARCELO PORTELA, Agência Estado

26 de fevereiro de 2013 | 08h05

BELO HORIZONTE - Embalado pela estreia vitoriosa na Libertadores, o Atlético-MG enfrenta o Arsenal nesta terça-feira com esperança de manter o bom desempenho na competição que voltou a disputar após 13 anos. Para isso, o técnico Cuca deve colocar em campo, a partir das 21h45, no Estádio Julio Grondona, em Sarandí, na Grande Buenos Aires, na Argentina, a mesma equipe titular que derrotou o São Paulo em Belo Horizonte no dia 14 de fevereiro.

A preocupação de Cuca para a partida desta terça-feira, válida pela segunda rodada do Grupo 3 da Libertadores, é com a força técnica da equipe argentina. Além disso, ele preparou seus jogadores para tentar reverter um cenário do ano passado, quando o Atlético-MG não teve um desempenho tão bom como visitante - bem diferente do que acontece na Arena Independência, em Belo Horizonte, onde ostenta uma longa invencibilidade.

Por isso tudo, o lateral-direito Marcos Rocha adiantou que o time mineiro deve intensificar a marcação contra o adversário em Sarandí. "É um campo pequeno. Precisamos marcar forte", disse o jogador, um dos titulares do Atlético-MG. "A gente está esperando um jogo com muita dificuldade. Todos os jogos da Libertadores são dessa forma", avisou o meia Ronaldinho Gaúcho, outro nome certo na escalação de Cuca contra o Arsenal.

Cuca levou 19 jogadores para a Argentina, com apenas Gilberto Silva como opção de zagueiro reserva. Enquanto isso, o volante Rosinei e o atacante Araújo nem viajaram - o primeiro sente dores no púbis e o segundo tem uma pequena lesão na panturrilha. Mas a aposta do treinador é mesmo na manutenção da escalação titular, principalmente com o quarteto de frente formado por Jô, Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli e Bernard.

Para o Arsenal, o jogo desta terça-feira traz a chance de reabilitação, após a derrota na estreia da Libertadores para o The Strongest, na altitude de La Paz, na Bolívia. "Estamos num grupo muito complicado. Temos que ser fortes quando jogamos em casa", afirmou o técnico Gustavo Alfaro, que elogiou bastante os dois times brasileiros que fazem parte dessa chave, o próprio Atlético-MG e o São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolLibertadoresAtlético-MG

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.