Atlético-MG reclama da mudança na arbitragem mineira

Apesar de reclamar da gestão do agora ex-presidente Lincoln Afonso Bicalho, o Atlético-MG não gostou da mudança na Comissão de Arbitragem da Federação Mineira de Futebol (FMF), comandada interinamente desde segunda-feira por José Eugênio. Em nota oficial divulgada nesta terça, a diretoria atleticana critica a "continuidade" da antiga administração.

AE, Agencia Estado

24 de março de 2009 | 12h37

Lincoln Afonso Bicalho deixou a presidência da Comissão de Arbitragem na segunda-feira, alegando problemas de saúde. Em seu lugar, assumiu interinamente José Eugênio, enquanto o presidente da FMF, Paulo Schettino, procura um substituto definitivo. Mas a diretoria do Atlético-MG não gostou da solução, mantendo suas críticas à arbitragem do futebol mineiro.

"A saída do presidente da Comissão de Arbitragem, Lincoln Afonso Bicalho, do exercício de sua função, e sua substituição por José Eugênio não amenizará em nada o que está acontecendo em relação à arbitragem", diz comunicado do Atlético. "Não aceitaremos a farsa da substituição de nomes. Pedimos, mais uma vez, a Paulo Schettino que tome providências urgentes e não deixe à frente da arbitragem o senhor José Eugênio."

"É preciso mudar os princípios, não apenas os nomes. Princípios esses, que nos farão brigar incansavelmente até que se trate o futebol mineiro com decência e dignidade. É necessário cortar o mal pela raiz e fazer da oportunidade que estamos tendo uma reestruturação completa", afirma a nota do Atlético, que entende ter sido prejudicado pela arbitragem no último clássico com o Cruzeiro, no dia 15 de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.