Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Atlético-MG revoltado com punição

O presidente do Atlético-MG, Ricardo Guimarães, reagiu neste domingo com indignação e revolta à decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) que, além de multar e punir o clube mineiro com a perda do mando de campo de três partidas no Campeonato Brasileiro, determinou que elas sejam disputadas fora do Estado de Minas Gerais. "A gente está vivendo uma palhaçada. O Atlético vai às últimas conseqüências defendendo todos os seus direitos", disse Guimarães, em entrevista à Rádio Itatiaia.O Atlético foi penalizado devido aos fatos ocorridos no jogo contra o São Paulo, no último domingo, no estádio Independência. Na decisão, o clube mineiro foi multado em R$ 110 mil. A punição já era esperada pelos dirigentes alvinegro. O que surpreendeu foi o fato de o clube ser impedido de atuar no Estado.A diretoria atleticana estava convencida de que a penalidade imposta pelo tribunal determinaria que o Galo fosse obrigado a jogar a pelo menos 150 quilômetros de Belo Horizonte. Por isso, o clube já havia acertado a transferência das partidas contra o Criciúma, no próximo dia 31; Flamengo, em 14 de novembro, e Paysandu, no dia 05 de dezembro, para a cidade de Ipatinga, no Vale do Aço Mineiro.No julgamento desta sexta-feira, o Atlético estava incurso nos artigos 211 e 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. O clube foi defendido pelo diretor-jurídico Roberto Vasconcellos, que já esperava pela punição. "A pena já havia sido anunciada pelo presidente Luiz Sveiter, que antecipou a perda de mando por três partidas", disse Vasconcellos, que anunciou que o clube irá recorrer da decisão do STJD.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2004 | 20h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.