Atlético-MG sem mudanças radicais

Os dirigentes do Atlético-MG frustraram nesta quarta-feira quem imaginava que haveria o anúncio de medidas drásticas, prometidas semana passada após a desclassificação nas semifinais da Copa do Brasil para o Brasiliense. O presidente do Conselho Deliberativo do clube, Alexandre Kalil, que pretende reduzir a folha salarial (atualmente, de cerca de R$ 1,5 milhão mensais) e reformular o elenco, informou que as mudanças serão feitas com calma, ao longo dos próximos dias, visando à montagem de um time equilibrado financeiramente e competitivo para o segundo semestre.Kalil confirmou que reforços devem ser contratados, mas adiantou que não serão jogadores caros e com altos salários. Por enquanto, o técnico Levir Culpi admitiu que devem ser trazidos um volante para a vaga de Gilberto Silva - que estará na Copa do Mundo e poderá ser negociado em seguida - e um goleiro para substituir Velloso, que permanece em tratamento até o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.