Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Atlético Nacional cobra Palmeiras na Fifa por dívida com Borja; clube brasileiro rebate

Clube da Colômbia quer pagamento de 3 milhões de dólares; time alviverde diz que não tem prazo definido

Daniel Batista e Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2019 | 17h11

O presidente do Atlético Nacional, Juan David Pérez, usou as redes sociais nesta quinta-feira para afirmar que o Palmeiras não pagou a parcela referente à contratação do atacante Miguel Borja e que, por isso, pretende acionar a Fifa. “O tema de Miguel Ángel Borja permanece o mesmo. Não recebemos o pagamento no prazo estabelecido e ele já levamos o pedido à Fifa”, escreveu o dirigente no perfil do clube no Twitter.

Borja se destacou na Libertadores de 2016, quando foi campeão da Libertadores pelo Atlético. O colombiano chegou ao Palmeiras em fevereiro de 2017, após negociação de R$ 33 milhões por 70% dos direitos federativos com pagamento da patrocinadora, a Crefisa. Se não houvesse venda de Borja com outro clube no período de dois anos e meio, até agosto de 2019, o Palmeiras teria que adquirir os outros 30% do colombiano pela quantia de 3 milhões de dólares (R$ 14 milhões na cotação atual).

Procurado pelo Estado, o Palmeiras afirma que o contrato não determina que o pagamento deva ser feito imediatamente. O clube brasileiro entende que ele deve ser realizado no momento da venda e revela ter informado o clube colombiano sobre esse entendimento. Sobre a intervenção da Fifa, o Palmeiras afirma ainda que não foi notificado pela entidade.

"Temos uma divergência de interpretação. Eles nos enviaram uma notificação informando que gostariam de converter os direitos em dinheiro e já enviaram a conta para o depósito. Nosso entendimento não é esse. Eles tinham até o dia 10 de agosto para avisar da opção, se queriam valores absolutos ou se continuariam com a porcentagem do jogador. Mas não entendemos que o pagamento precisaria ser imediatoNós entendemos que o pagamento precisa ser feito quando a operação for encerrada", afirmou André Sica, advogado do Palmeiras.

O especialista afirma que o clube ainda não foi notificado pela Fifa e prevê uma longa disputa entre os dois clubes até a definição do pagamento. Borja teve uma temporada com altos e baixos e chegou a ser a terceira opção do ataque, atrás de Luiz Adriano e Deyverson. O colombiano marcou 36 gols em 112 partidas no Palmeiras. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.