Atlético pagou mico, diz Cruzeiro

O presidente do Cruzeiro, Alvimar Perrella classificou hoje a ações protocoladas no STJD por Atlético (MG) e Flamengo, com o objetivo de ganhar os pontos de suas derrotas, para a equipe celeste, como uma tentativa do maior rival de desestabilizar o ambiente na Toca da Raposa. "O Atlético queria é esvaziar a nossa vitória no clássico. Primeiro deram uma dimensão muito maior à questão envolvendo o Alex (Alves, atacante do Galo, que no último jogo sofreu duas fraturas no rosto após ser atingido por uma cotovelada do zagueiro cruzirense Edu Dracena). Depois veio essa história de irregularidade do nosso jogador. O Atlético queria simplesmente desestabilizar o momento que o Cruzeiro está vivendo", disse Alvimar, que recebeu na tarde de hoje, a informação extra-oficial de que os pedidos de impugnação das partidas haviam sido indeferidos pelo presidente do STJD, Luiz Zveiter. "É um micão que o Atlético pagou, e que induziu o Flamengo a pegar carona". Segundo ele, a diretoria do Cruzeiro liberou a participação de Márcio Nobre na partida contra o Juventude, no próximo domingo, independente da decisão oficial do Tribunal. O atacante treinou hoje entre os titulares, já que o colombiano Aristizábal, com uma entorse no joelho direito, foi novamente vetado pelo Departamento Médico. O técnico Vanderlei Luxemburgo deixou claro que a equipe principal do coletivo é a que deverá começar jogando. O treinador assegurou que os acontecimentos da "Falei com os jogadores que eu não quero mais que se comente qualquer assunto. Acabou. Temos de voltar a nossa atenção para o Juventude, para a competição e os jogos que estão por vir. Não vamos desviar nossa atenção".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.