Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Atlético-PR bate o Junior Barranquilla nos pênaltis e conquista a Sul-Americana

Rubro-negro fatura seu primeiro título internacional com vitória por 4 a 3 nas penalidades

Gabriel Melloni, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2018 | 00h50

Demorou 94 anos, mas o primeiro título internacional do Atlético-PR não poderia ser mais emocionante. Em uma decisão que teve de tudo nesta quarta-feira, o time rubro-negro derrotou o Junior Barranquilla nos pênaltis, após empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, e ficou com a taça da Copa Sul-Americana diante de uma Arena da Baixada lotada.

Se abriu o placar e dominou no primeiro tempo, o Atlético-PR viu tudo dar errado a partir daí. O gol do empate no início da etapa final gerou um apagão na equipe, e o adversário passou a desperdiçar chance atrás de chance. O time paranaense perdeu dois de seus destaques por problemas físicos - Pablo e Nikão - e, na prorrogação, o Junior ainda desperdiçou um pênalti. O cenário era dos piores.

Mas nada disso derrubou o Atlético-PR, que se fortaleceu. A decisão foi justamente para o fundamento em que o Junior mostrou dificuldade, as penalidades, e aí o time paranaense brilhou: converteu quatro de suas cinco cobranças e viu o adversário desperdiçar duas, explodindo a festa da torcida nas arquibancadas e deixando a taça na Arena da Baixada.

O Atlético-PR teve no início da partida a postura que dele se esperava: marcando por pressão e ocupando o campo de ataque. O primeiro chute foi aos cinco minutos, quando Nikão arriscou em cobrança de falta, Pablo desviou de cabeça e assustou Viera. A resposta do Junior veio aos 13, quando Barrera recebeu na meia-lua e jogou por cima.

Renan Lodi, também de fora da área, ainda tentou aos 23, mas o primeiro gol tinha que ser de Pablo. Ameaçado de não estar em campo por um problema físico, o destaque do Atlético-PR na temporada correspondeu aos 26, quando aproveitou sobra, tabelou com Raphael Veiga e finalizou com categoria, sem chances para o goleiro.

Intencionalmente ou não, o Atlético-PR alterou a postura com a vantagem e permitiu que o Junior crescesse. Se não conseguiu levar perigo efetivo ao gol de Santos, o time colombiano rondou a área e arrancou muitos cruzamentos, enquanto o adversário parecia afobado nas tentativas de puxar contra-ataques.

O intervalo veio em ótima hora para o Atlético-PR, que voltou com tudo. Com menos de um minuto do segundo tempo, a dupla quase funcionou novamente, com Raphael Veiga dando enfiada precisa para Pablo, que finalizou cruzado e só não marcou porque Viera voou para espalmar.

Mas parou por aí. O Junior voltou a tocar a bola, encontrou espaços pelo lado esquerdo e passou a assustar. Aos oito, Díaz parou em Santos. Pouco depois, Jonathan cedeu escanteio em novo ataque pelo setor. Na cobrança, Jeferson Gómez desviou e Teo Gutiérrez empatou aos 12 minutos.

O ímpeto atleticano se transformou em apatia, e o Junior encurralou o adversário. Aos 14, a defesa errou, e Cantillo ficou de frente para Santos, mas bateu muito mal. Cinco minutos mais tarde, Díaz, sempre pela esquerda, apareceu novamente e parou no goleiro. Aos 21, Teo Gutiérrez recebeu na meia-lua com muita liberdade e jogou rente à trave.

A torcida tentava empurrar, Pablo era o único que incomodava no ataque, mas o completo apagão do Atlético-PR transformou a euforia em murmúrios. A sorte era que o Junior não encontrava o caminho do gol. Barrera, aos 23, foi mais um a ficar de frente para Santos, mas jogou na rede pelo lado de fora.

Ainda que o ritmo tenha diminuído, o time colombiano seguiu dono do jogo até o apito final, que veio como um alento ao Atlético-PR. Novamente empurrado pela torcida e com Rony incomodando pela esquerda, os donos da casa equilibraram o duelo, mas a sensação era de que o Junior seguia superior.

Na etapa final da prorrogação, aos três minutos, Yony González aproveitou novamente espaço pela esquerda, foi acionado e derrubado por Santos: pênalti. Barrera foi para a cobrança, buscou o ângulo direito, mas isolou. Sem pernas, os dois times se mostraram satisfeitos com a decisão nos pênaltis.

Fuentes e Teo Gutiérrez perderam logo de cara para o Junior. Jonathan, Raphael Veiga e Bergson converteram para o Atlético-PR. Renan Lodi desperdiçou, mas Thiago Heleno marcou o gol que garantiu o título e escreveu um novo capítulo vitorioso na história do clube.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-PR 1 (4) X (3) 1 JUNIOR BARRANQUILLA

ATLÉTICO-PR - Santos; Jonathan, Thiago Heleno, Léo Pereira e Renan Lodi; Bruno Guimarães, Lucho González (Wellington) e Raphael Veiga; Nikão (Marcinho), Marcelo Cirino (Rony) e Pablo (Bergson). Técnico: Tiago Nunes.

JUNIOR BARRANQUILLA - Sebastián Viera; Piedrahita, Jeferson Gómez (Jonathan Ávila), Rafael Pérez e Gabriel Fuentes; Narváez, James Sánchez (Yony González), Cantillo e Barrera (Daniel Moreno); Luis Díaz e Teo Gutiérrez. Técnico: Julio Comesaña.

GOLS - Pablo, aos 26 minutos do primeiro tempo. Teo Gutiérrez, aos 12 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Roberto Tobar (Fifa/Chile).

CARTÕES AMARELOS - Jonathan, Wellington (Atlético-PR); Yony González, Narváez, Jeferson Gómez, Piedrahita (Junior Barranquilla).

RENDA - R$ 2.084.560,00.

PÚBLICO - 40.263 torcedores.

LOCAL - Arena da Baixada, em Curitiba (PR).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.