Atlético-PR busca reabilitação

A vitória sobre o Coritiba no domingo trouxe mais tranqüilidade para o Atlético Paranaense, que espera se recuperar na Copa Libertadores da América, diante do América de Cali, nesta quarta-feira, às 19h30, na Arena da Baixada, em Curitiba. "A vibração e a alegria voltou a ser como a do Brasileirão, que era o que a gente estava precisando", disse o volante Cocito. No Grupo 4 da Libertadores, o Atlético está na última posição, tendo perdido para o Bolívar e o Olmedo. Em compensação, o adversário lidera o grupo, ao lado do Bolívar, com quatro pontos. "É o time mais forte entre os que enfrentamos", disse o meia Kléberson. "É o jogo de nossa vida na Libertadores, precisamos da vitória para ainda ter chances de classificação." O zagueiro Nem, que não joga desde a decisão do Brasileiro, no ano passado, por ter realizado uma cirurgia no joelho direito, deve retornar. Com a defesa titular - Nem, Gustavo e Rogério Corrêa -, o Atlético venceu 13 e empatou três das 16 partidas que disputou. "Eles se completam", elogiou o técnico Geninho. "Ele (Nem) é experiente, tem comando e o respeito dos companheiros." O volante Cocito, que cumpriu suspensão contra o Olmedo, teve a escalação confirmada. As dúvidas do técnico são os atacantes Kléber, que está com o joelho direito dolorido, e Alex Mineiro, com dores no púbis. Caso eles não possam participar da partida, Geninho poderá optar por Ilan e Adauto, sem mudar as características do time, ou avançar Adriano, com a entrada de Fabrício ou Flávio Luiz no meio-de-campo. O América de Cali está em Curitiba desde o fim de semana, adaptando-se ao clima. Os jogadores estiveram na Arena assistindo ao jogo contra o Coritiba. "Deu para perceber que o Atlético está em início de temporada e o ataque não está em um bom momento", analisou o técnico Jaime de la Pava. Ele acredita que poderá jogar em cima do desespero do adversário. "Se o primeiro tempo terminar empatado, a pressão sobre o Atlético vai aumentar", observou. Por isso, ele deverá utilizar um time mais ofensivo, com a entrada do atacante Vasquez no lugar do volante Vargas, que cumpre suspensão. "O Atlético é um time marcador e temos que furar esse bloqueio", disse. "Sei que vai ser complicado passar, mas vamos fazer nossa parte."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.