Atlético-PR confia no bom retrospecto

O Atlético-PR tem consciência de que ficou mais difícil conquistar o primeiro título da Copa Libertadores de sua história, após o empate por 1 a 1 com o São Paulo, quarta-feira, em Porto Alegre, na primeira partida da decisão. Mas os jogadores e o técnico Antônio Lopes não desaniman e confiam no retrospecto para garantir a taça, mesmo jogando no Morumbi, na próxima quinta.Nas três fases anteriores da Libertadores, todas eliminatórias, o Atlético decidiu a vaga no campo do adversário, com sucesso total. "Nosso time está acostumado a jogar fora de casa. É difícil (bater o São Paulo na capital paulista), mas vamos lá para ganhar o jogo e a competição. Já mostramos que podemos?, disse Antônio Lopes. "Claro que o retrospecto não joga. O que vale é que nossa equipe tem jogado bem fora de casa e não se deixa influenciar pela torcida adversária.?Nessa Libertadores, o Atlético passou às quartas-de-final ao eliminar o Cerro Porteño em pleno Estádio Defensores del Chaco, em Assunção (vitória por 5 a 4 nos pênaltis, após derrota por 2 a 1 no tempo normal). Depois, chegou à semifinal fazendo 2 a 0 no Santos em plena Vila Belmiro (já tinha vencido por 3 a 2 na Arena da Baixada). E se garantiu na final ao empatar por 2 a 2 com o Chivas, em Guadalajara, diante de 70 mil pessoas - em Curitiba, fizera 3 a 0.Antônio Lopes revelou considerar o Morumbi um campo neutro, porque a torcida não fica muito próxima do gramado. "É como o Maracanã. O campo fica um pouco afastado dos torcedores e o visitante se sente à vontade. Não tem aquela pressão violenta de outros estádios, porque os torcedores não ficam em cima (dos jogadores)?, justificou o técnico.O volante Cocito segue a mesma linha de raciocínio. "A torcida não entra em campo. Não tem influência dentro do campo, nem intimidação?, avisou o jogador.Nesta sexta-feira, o time paranaense fez um treino leve, em Porto Alegre, e voltou a Curitiba no final da tarde. E no domingo, contra o Coritiba no estádio Couto Pereira, pelo Brasileirão, Antônio Lopes vai escalar uma equipe reserva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.