Atlético-PR derruba a Ponte em Campinas

O Atlético-PR garantiu nesta quarta-feira mais uma vitória fora de casa neste Campeonato Brasileiro: 2 a 0 sobre a Ponte Preta, em pleno Estádio Majestoso, acentuando a queda do time campineiro na competição, que completou sua sexta derrota consecutiva. Após mais esta decepção a Ponte permanece com 33 pontos, ainda na frente do adversário paranaense, que chega aos 28 pontos. Com Nenê Santana como técnico interino, após demissão de Zetti, a Ponte Preta voltou a mostrar deficiências e de ser incapaz de superar a saída do técnico Osvaldo Alvarez, que se transferiu para o Verdy Tokyo, do Japão. Por outro lado, o Atlético-PR comprova estar totalmente reabilitado após os tropeços acumulados no Brasileirão durante sua participação na Copa Libertadores. A chuva fria que começou a cair no Majestoso antes do início do jogo afastava a torcida, mas parecia não esfriar o ânimo renovado da Ponte, que começou atenta na marcação e rápida no ataque. Mas, nos momentos das finalizações, faltava categoria. "O Nenê Santana (técnico interino) me pediu para chutar mais, porque eu estou cruzando muito", explicava Izaías, que teve a responsabilidade de substituir o centroavante Kahê, artilheiro do time com 11 gols e negociado com o futebol alemão. O Atlético-PR esperou o momento certo para mostrar sua melhor qualidade técnica. No primeiro lance de perigo, abriu o placar. Ferreira foi lançado em velocidade e, dentro da área, deu um corte no zagueiro Luís Carlos, que chegou de lado e afoito. O meia colombiano ajeitou com a direita e chutou a bola de esquerda, com força suficiente para que o goleiro Lauro não segurasse: 1 a 0, aos 19 minutos. "Viemos para irritar o time deles e aproveitar os contra-ataques", confessou o zagueiro Paulo André. No intervalo, com uma chuva persistente, a torcida protestou. Xingou a diretoria por vender jogadores e não trazer reforços. Na volta ao campo, a ordem de Nenê Santana era para os ponte-pretanos acertassem a marcação "sempre com um zagueiro na sobra." Lima, por ser do Atlético, fez questão de ignorar o acerto do adversário: deixou quatro adversários para trás com belos dribles, passando para Ferreira na esquerda e este ligando para o centroavante Finazzi, que confirmou sua fama de matador com um chute de chapa: 2 a 0, aos nove minutos. O jogo estava decidido. Os atleticanos tocaram a bola, se pouparam e irritaram ainda mais os donos da casa. A Ponte, como esperado, não teve técnica para diminuir o placar. No final de semana, a Ponte Preta tentará a reabilitação diante do Atlético-MG, no Mineirão, enquanto o Atlético-PR, na Arena da Baixada, vai receber o Juventude.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.