Atlético-PR e Coritiba buscam vitória e equilíbrio

Tanto Atlético Paranaense, que está com 11 pontos, quanto o Coritiba, com 13, esperam que uma vitória no clássico deste domingo, às 16 horas, na Arena da Baixada, em Curitiba, dê o impulso que precisam para se equilibrarem no Campeonato Brasileiro, encerrando o período de altos e baixos. O time rubro-negro, que perdeu a última partida para o Santo André, tem a vantagem de jogar com a força da torcida, mas o Coritiba chega com mais confiança depois da virada sobre o Grêmio.

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

19 de julho de 2009 | 08h19

No Atlético, a dúvida é a presença do atacante Wallyson, que está com fadiga muscular. "Quero conversar com ele, pois não adianta ter o jogador (num jogo) e depois não ter por um longo tempo", disse o técnico Waldemar Lemos. "Se puder contar com o melhor que a gente tem, será muito bom, mas é muito melhor contar com aqueles que estão bem fortalecidos e que possam suportar".

Se ele não puder jogar, o volante Rafael Miranda deve entrar, com Marcinho deslocado para o ataque. "A gente precisa pôr a bola no chão e jogar, e, como estamos em casa, temos a obrigação de vencer", destacou o meia Paulo Baier.

No Coritiba, o técnico René Simões também tem uma dúvida, pois o zagueiro Cleiton sentiu dores musculares. Mas ele pode alterar o time com a entrada de Carlinhos Paraíba e a saída de Marcos Aurélio. O técnico tem os retornos do lateral Márcio Gabriel e do volante Jailton, que cumpriram suspensão.

"Quem chegar para este jogo com 99% de raça não vai vencer, tem que ser 100%", alertou Simões. O meia Pedro Ken não considera que o clássico seja determinante para a sequência no campeonato, embora entenda que é um jogo especial. "Temos que entrar com uma responsabilidade maior, uma dedicação maior", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.