Atlético-PR fica feliz com o vice

O torcedor do Atlético Paranaense não tirou os pés da Arena da Baixada, na tarde deste domingo, até que o último jogador do time fosse para os vestiários. Eles comemoraram o vice-campeonato e, principalmente, a classificação para a Copa Libertadores da América como se fosse o título. A única diferença é que, fora do estádio, o retorno à casa foi normal. Sem grandes comemorações, mas também sem choro. "O atleticano sempre é vitorioso", afirmou a torcedora Carla Machado. "Ser vice-campeão não desmerece ninguém", referendou o estudante Emerson Miranda do Carmo.Os jogadores reconheceram o incentivo que receberam em todo o campeonato e até mesmo no jogo, quando não fizeram uma boa partida, mas conseguiram um empate. Antes do término do jogo, a torcida já aplaudia de pé e entoava o hino do clube. Depois que o juiz apitou, os jogadores deram-se as mãos e percorreram todos os lados do campo, sendo aplaudidos e brindados com os gritos de "Atlético, Atlético". Numa das laterais, os torcedores gritaram "Libertadores, Libertadores"."É maravilhoso o que a torcida nos faz", disse o ala Fernandinho. Para o volante Fabiano, a festa da torcida faz com que o Atlético leve o título moral da competição. "O Atlético é uma das grandes equipes do futebol brasileiro", disse. O goleiro Diego voltou depois sozinho para o gramado e foi se despindo conforme percorria o campo, jogando as luvas, a camisa, as chuteiras, as meias e as caneleiras para os torcedores. Teve o nome gritado em coro. "Estamos tristes por não conseguir o título, mas o aprendizado foi grande", disse o goleiro. "E o torcedor teve muita participação na conquista da Libertadores." Somente não teve sorte um torcedor que até o fim da tarde não tinha sido identificado, que caiu no fosso antes do início da partida. De acordo com a assessoria do Hospital Cajuru, ele não tinha nenhum documento e estava sozinho na Arena da Baixada. O torcedor teve ferimentos graves na cabeça e estava inconsciente no hospital. Somente os exames diriam se haveria necessidade de cirurgia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.