Atlético-PR já procura um treinador

O Atlético-PR já procura um técnico para substituir Levir Culpi, que deixou o vice-campeão brasileiro - deve ir para o Cruzeiro. A diretoria do clube paranaense não gostou de vê-lo comemorando a permanência do Botafogo na primeira divisão logo após o jogo de domingo, entre as duas equipes - empate por 1 a 1 -, na Arena da Baixada. "Foi uma cena bastante constrangedora", comentou o presidente do Atlético, João Augusto Fleury da Rocha. "Queria vê-lo saindo aborrecido, pois perdeu o título e não conseguiu ganhar de um time fugindo do rebaixamento." O presidente do Atlético também já definiu o perfil do próximo técnico, que terá a missão de comandar o time na Copa Libertadores: jovem, experiente, ambicioso para conquistar títulos e progredir na carreira e disposto a trabalhar com o elenco em tempo integral. E mais: deverá estar em Curitiba nos primeiros dias de janeiro, ter formação acadêmica e interesse para formar atletas. "E que esteja consciente da grandeza que é disputar a Libertadores e com pretensão de ser campeão", acrescentou o presidente do Atlético. E, lógico, que se enquadre nas disponibilidades financeiras do clube. Como acontece sempre que o cargo fica vago, vários nomes vêm sendo comentados em Curitiba: Paulo Bonamigo, Cuca, Geninho e Tite.Para disputar os campeonatos do próximo ano, o time deverá ser dividido em dois. Um para o Campeonato Paranaense, que deverá se apresentar no dia 5 de janeiro, trabalhando sob o comando do técnico Liu Evaristo, e o outro que disputará a Libertadores e deve se apresentar no dia 17.Elenco - O zagueiro Marinho e o volante Fabiano são as prioridades da diretoria do clube para a renovação de contrato. O atacante Washington, artilheiro do Brasileiro com 34 gols, já acertou com o Verdy Tokyo, do Japão.Acidente - O torcedor que caiu domingo no fosso da Arena da Baixada, em Curitiba, antes do jogo entre Atlético e Botafogo, foi identificado na noite de segunda-feira, mas a assessoria do Hospital Cajuru não repassou o nome para a imprensa. Ele tem 19 anos, mora em Curitiba e foi reconhecido por dois parentes que procuraram o hospital. O estado clínico dele continua sendo considerado grave. Com traumatismo craniano, está inconsciente e respirando por aparelhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.