Atlético-PR será modelo para o Santos

A projeção do Santos nos próximos anos está mais para o Atlético-PR , o time batido na briga pelo título de 2004, que para o Corinthians/MSI, a nova sensação no futebol brasileiro que, com dinheiro em caixa, promete sair às compras em busca de jogadores consagrados.O presidente santista Marcelo Teixeira está muito mais interessado em adaptar a Vila Belmiro às necessidades atuais de um estádio - e a Arena da Baixada, com camarotes e praça de alimentação é um exemplo a ser seguido - do que em fazer loucuras para montar um time competitivo. E caro.Pagar US$ 20 milhões por um jogador como Tevez, nem pensar. "Nem se fosse o Pelé. Nem se fosse o verdadeiro Maradona eu pagaria uma quantia dessas. É loucura!", afirma, convicto, Marcelo Teixeira, o homem que gastou milhões no passado para contratar Edmundo, Rincón e Marcelinho Carioca, iludido pela busca de um título que chegou pelos pés de Robinho e Diego. Ambos não custaram nada ao clube. Diego, vendido ao Porto, rendeu US$ 4,2 milhões ao Santos. E Robinho vai render muito mais.Uma experiência que considera impossível de repetir. "Hoje em dia, minha idéia é aplicar dinheiro nas categorias de base. O futuro do futebol está lá. Hoje em dia é impossível gastar milhões. Só quando se tem essas parcerias que volta e meia inflacionam o futebol brasileiro", diz Marcelo Teixeira.Ao descerrar na quarta-feira a placa comemorativa do início das obras dos seis primeiros camarotes que o clube pretende inaugurar em seis meses na Vila, Teixeira mostra-se seguro do caminho."Temos um projeto ambicioso para o estádio. A idéia é deixá-lo mais agradável, com mais serviços aos torcedores, mas sem perder a capacidade de público. Em pouco tempo, teremos isso", garante.Com o projeto do estádio equacionado para daqui a dois anos, Teixeira começa hoje a definir assuntos urgentes. O time de 2005, por exemplo. A idéia é ter um grupo realmente competitivo. O presidente costuma dizer a amigos que não se contentará em ganhar apenas a Libertadores, que é seu projeto principal. Ele tem obsessão por vencer o Campeonato Paulista, como seu pai fez em 1984, data da última conquista do Santos. Ele quer vencer e homenagear Milton Teixeira.A primeira providência é decidir quem será o novo técnico. O nome preferido era o de Leão - com quem Teixeira almoçou há duas semanas -, mas o técnico do São Paulo preferiu cumprir seu contrato. Uma forma de se distinguir de Vanderlei Luxemburgo, a quem odeia. Muricy e Tite são os nomes mais cotados. Geninho corre por fora.A segunda meta é manter as duas estrelas remanescentes da conquista do título de 2002: Robinho, que tem contrato até o meio do ano, e Elano, que não se acertou com o Atlético de Madri e nem com o Betis, ambos da Espanha. Tem contrato até o final de 2006.Teixeira vai lutar para manter Paulo César. Depois de um conturbado início, ele passou a jogar bem e é uma das indicações de Vanderlei Luxemburgo para o Corinthians/MSI. O mesmo serve para Deivid, que tem contrato de empréstimo até o final do primeiro semestre.Não falta dinheiro a Marcelo Teixeira e nem ao Santos, o que, no caso, é a mesma coisa. A dívida do clube com o presidente já foi de US$ 25 milhões, mas hoje está estabilizada em torno de US$ 12 milhões. E, por não faltar dinheiro, sobram conselhos. Tem gente pedindo Schelotto, como forma de resposta à vinda de Tevez ao Parque, mas Teixeira não fará loucuras.É primordial contratar um goleiro. Mauro, apesar da campanha ainda não dá muita segurança ao time. Fábio, do Vasco, é o nome mais cotado. Em Santos, todos comentam que ele já deveria ter vindo no primeiro semestre. Foi a mando de Vanderlei Luxemburgo que ele foi à Justiça contra o Vasco. Perdeu e está há tempos sem jogar. Agora, com o final de contrato, deve acertar sua vinda para Santos. Tapia volta ao Chile e Júlio Sérgio também sai, depois de ser "caroneado" por Doni, Tapia e Mauro na luta para ser titular.O zagueiro André Luiz deixa o Santos na quarta-feira. Seu destino é o Benfica, de Portugal. Antonio Carlos, apesar de jogar pouco, deve ficar. Ele emocionou Marcelo Teixeira ao abrir mão dos direitos de imagem durante o período em que esteve contundido. Disse que muita gente desconfiava de sua contratação e que não gostaria de prejudicar o time do coração de seu pai. Ganhou o direito de provar que foi uma boa contratação. E que tem mais a apresentar do que o papel de conselheiro de jovens.Ele faz parte de um time trazido por Luxemburgo e que tem o contrato terminado em 31 de dezembro: Tapia, Flávio, Ávalos, Antonio Carlos e Márcio; Bóvio, Lelo, Fabinho e Zé Elias; Marcinho e William.Lelo já saiu. Fabinho, Zé Elias e Marcinho são os que têm maiores possibilidades de ficar. Ávalos, apesar de terminar o ano como titular, não tem nome e sua permanência depende muito do novo técnico. William, odiado por parte da torcida, pode ficar. As más línguas dizem que por um pedido especial do amigo Robinho.Bóvio pode permanecer. Não é titular e pode continuar "compondo o time". O mesmo vale para Flávio. Márcio não agradou. Deve sair.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.