Atlético tenta manter regularidade

Trinta e dois anos depois de conquistar o seu único título Brasileiro, o Atlético-MG inicia a competição deste ano mais uma vez sob a desconfiança de sua torcida, mas com a expectativa de repetir o desempenho regular que vem mantendo ao longo das disputas. A fórmula do Brasileirão 2003 é um pleito antigo dos dirigentes atleticanos. Pela primeira vez, o campeão será o time que somar o maior número de pontos ao final de dois turnos. O Galo é o primeiro colocado do ranking da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), somando 1016 pontos, 18 a mais que o segundo colocado, o Internacional (RS). Um levantamento divulgado pela assessoria de imprensa do clube mineiro demonstra que caso a fórmula tivesse sido adotada nas 32 edições do campeonato, o Atlético teria conquistado cinco títulos nacionais (1971, 1977, 1980, 1983 e 1987), considerando a média de pontos por partidas disputadas. A equipe alvinegra sagrou-se como o primeiro campeão brasileiro, em 1971, chegou a outras três finais (1977, 1980 e 1999) e 14 vezes nas semifinais da competição. A desconfiança do torcedor se deve às diversas mudanças na equipe em relação ao ano passado - o Galo terminou o Brasileirão em oitavo lugar - e à participação no Campeonato Mineiro, já que terminou a competição sete pontos atrás do campeão Cruzeiro. Dois dos principais jogadores do grupo atleticano de 2002, o atacante Marques e o lateral-direito Mancini, deixaram o clube. Além deles, o time mineiro perdeu o treinador Geninho, que rescindiu o seu contrato e foi dirigir o Corinthians. A saída foi traumática e gerou pesadas críticas da diretoria atleticana. Para o lugar de Geninho, foi contratado Celso Roth, que ultimamente vem sendo contestado por parte da torcida. Mesmo com dificuldades financeiras, o Atlético conseguiu contratar reforços visando a disputa do Brasileiro. Entre eles, o meia Lúcio Flávio, o zagueiro Scheidt, e o lateral-esquerdo Marquinhos, todos titulares do time. A diretoria ainda trouxe de volta o atacante Guilherme, que no ano passado disputou a competição pelo Corinthians. Guilherme foi o artilheiro do Mineiro, com 13 gols. Nesta semana, quando o Galo completou 95 anos, os dirigentes anunciaram outras duas contratações: o volante Marcelo Silva e o atacante Fábio Júnior. No gol, o Atlético contará novamente com o experiente Velloso, que, lesionado, praticamente não jogou o Brasileirão de 2002. Fora de campo, o clube viveu momentos conturbados envolvendo o explosivo presidente do Conselho Deliberativo, Alexandre Kalil. O dirigente, famoso por não ter papas na língua, bateu de frente com a CBF, denunciou perseguições e acabou se licenciando do cargo por três meses, para evitar problemas judiciais devido a uma condenação imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Time-base: Velloso; Cicinho, Scheidt, André Luiz e Marquinhos; Hélcio, Genalvo, Alexandre e Lúcio Flávio; Guilherme e Fábio Júnior. Técnico: Celso Roth.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.