Washington Alves/Vipcomm
Washington Alves/Vipcomm

Atlético vence o Cruzeiro e sai na frente na decisão do Mineiro

Com a vitória por 2 a 1, time alvinegro pode até perder por um gol para ser campeão no 2.º jogo

EDUARDO KATTAH, Agência Estado

08 de maio de 2011 | 18h39

O Atlético saiu na frente na final do Campeonato Mineiro ao derrotar o Cruzeiro por 2 a 1, neste domingo, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Os dois times consideram o título, que será decidido no próximo domingo, após as desclassificações do time alvinegro da Copa do Brasil e do celeste da Copa Libertadores da América. Com a vitória, o Atlético virou a vantagem que tinha o adversário de lutar por dois resultados iguais, devido ao melhor desempenho durante a competição.

A missão do Cruzeiro de reverter o resultado favorável para o arquirrival ficou um pouco mais difícil com a expulsão, aos 45 minutos do segundo tempo, do meia argentino Montillo, um dos maiores destaques da equipe celeste, após uma cotovelada em Giovani.

O placar deste domingo foi definido ainda no primeiro tempo. Com quatro minutos de bola em campo, Mancini abriu o marcador para alegria da torcida alvinegra, a única presente no estádio. Apesar de ambas as equipes considerarem o título do estadual uma questão de honra, o jogo continuou morno até os 26 minutos, quando Wallyson empatou para o Cruzeiro. Mas a alegria celeste durou pouco. Dez minutos depois, Patric colocou o Atlético mais uma vez na frente.

O técnico do Cruzeiro, Cuca, atribuiu a derrota deste domingo ao "desgaste físico" da equipe após a desastrada eliminação da Libertadores com a derrota para o Once Caldas, da Colômbia, na última quarta-feira, na própria Arena do Jacaré. E acredita que no próximo fim de semana, com a torcida a favor, o jogo será mais justo. "Acho que tem um desgaste natural. Tivemos uma decisão na quarta-feira e eles (Atlético) foram mais rápidos que a gente. A gente tem uma semana cheia para descansar bem e jogar de igual para igual", afirmou.

O treinador alvinegro, Dorival Júnior, festejou a conquista da vantagem para a decisão, mas alertou para o risco que o adversário ainda oferece. "Foi uma partida digna de um clássico. Velocidade, muita marcação, força e eu fico contente com o desempenho. Isso (tirar a vantagem do Cruzeiro) para nós é mais que uma vitória, mas não decide ainda", observou.

ATLÉICO-MG - 2 - Renan Ribeiro; Patric, Réver, Leonardo Silva e Mancini (Wendel); Serginho, Soutto, Bernard (Daniel Carvalho) e Guilherme Santos; Magno Alves (Neto Berola) e Giovanni Augusto. Técnico: Dorival Júnior.

CRUZEIRO - 1 - Fábio; Victorino, Pablo (Leandro Guerreiro), Gil e Marquinhos Paraná; Henrique, Gilberto (Dudu), Montillo e Ortigoza (Fabrício); Everton e Wallyson. Técnico: Cuca.

Gols - Mancini, ao 4, Wallyson, aos 26, e Patric, aos 36 minutos do primeiro tempo; Cartões amarelos - Serginho e Neto Berola (Atlético); Ortigoza e Frabício (Cruzeiro); Cartão vermelho - Montillo (Cruzeiro); Árbitro - Paulo César de Oliveira (Fifa-SP); Renda - R$ 120.640,00; Público - 17.609 pagantes; Local - Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.