Ato racista é relatado por árbitro de partida válida pela Série D

Alvo de insultos, Igor, goleiro do Operário-MT, acabou expulso de campo após chutar a bola em direção ao torcedor na arquibancada

O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2014 | 15h01

O novo caso de racismo no futebol brasileiro foi relatado na súmula da partida entre Tombense e Operário-MT, disputada neste domingo. O árbitro Antônio Carvalho Schneider citou o incidente com o goleiro da equipe mato-grossense, Igor. Aos 37 minutos do primeiro tempo, o atleta acabou expulso de campo ao chutar a bola contra a torcida após ser chamado de "macaco".

Depois de deixar o estádio, o jogador registrou a ocorrência no 4.º Pelotão da Polícia Militar, em Tombos. Dois torcedores acabaram detidos. "Fui chamado de macaco no aquecimento. Bati um tiro de meta e me xingaram. Bati outro e me chamaram de Aranha", declarou o jogador à TV Integração.

Na súmula, o juiz do jogo válido pela oitava rodada da Série D explicou a expulsão. "Expulsei com cartão vermelho direto aos trinta e sete minutos do primeiro tempo o atleta número 1 (um) Sr. Igor Lemos Cajuhy do Operário/MT, que, segundo relato do assistente número 2 (Sr. João Luiz Albuquerque), pegou a bola que estava ao lado da sua meta e a chutou violentamente contra a torcida do Tombense/MG, localizada na arquibancada atrás da meta do goleiro citado."

Na sequência, o árbitro ressaltou que o goleiro conseguiu identificar o torcedor na arquibancada após ser alvo de racismo. Os dois envolvidos no caso foram à delegacia. O jogo, por sua vez, prosseguiu depois de 13 minutos de paralisação. A partida estava empatada por 1 a 1 quando o incidente ocorreu. No segundo tempo, o time mineiro, que comemorava o centenário do clube, marcou o gol da vitória.

Mais conteúdo sobre:
futebol racismo Tombense Operário-MT

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.