Atração no interior, Corinthians tenta iniciar arrancada

Até treino do time alvinegro, que encara o Sertãozinho nesta quarta-feira às 21h45, teve público de jogo

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

29 de janeiro de 2008 | 22h35

O Corinthians vive desde terça-feira dias de atração do interior de São Paulo. Na pequena Cravinhos, foram mais de mil pessoas gritando no treino de finalizações, com um torcedor mais exaltado invadindo o campo. E a euforia toma conta, também, da cidade de Ribeirão Preto, uma das maiores e mais ricas do interior paulista, com pouco mais de 500 mil habitantes. Nesta quarta-feira, cinco anos depois, a cidade volta a hospedar um time grande da capital. A partir das 21h45, no Estádio Santa Cruz, o Corinthians enfrenta o Sertãozinho (com transmissão online do estadao.com.br) disposto a iniciar uma arrancada na competição, em seqüência de cinco jogos contra rivais considerados pequenos.   Apesar de ter o mando do jogo, o Sertãozinho optou pela cidade vizinha, de rivalidade histórica, de olho no faturamento da renda. São 33 mil ingressos colocados à venda e a expectativa de lotação máxima. No Frederico Dalmazzo cabem apenas 12 mil pessoas.   E o Corinthians estará em casa. Desde esta terça, quando se hospedou na cidade, a equipe já começou a sentir o calor da torcida. Muita gente fez campana na concentração, cerca de 200 pessoas, atrás de um autógrafo ou uma simples foto com os ídolos. "Não esperava por isso. Ajuda muito e temos de retribuir esse carinho no jogo", afirmou o goleiro Felipe, livre das dores musculares. "A torcida do Corinthians é assim em todo lugar, calorosa. Será nossa aliada amanhã (quarta)", endossou Perdigão.   Com Botafogo e Comercial nas divisões inferiores do Paulista, todas as atenções hoje estarão na volta do Corinthians à cidade de algumas glórias. Ainda está na mente do torcedor o gol de Elivelton, na prorrogação, que garantiu o título paulista de 1995 frente ao rival Palmeiras, num disputado 2 a 1. E em 2001 o Botafogo fez sua primeira decisão na elite estadual. Perdeu de 3 a 0 do Corinthians, mas revelou Doni, hoje na Roma, e Leandro, no Verdy Tóquio.   O duelo voltaria a se repetir, pela última vez, em fevereiro de 2003, com novo triunfo alvinegro, por 2 a 0. De lá para cá, o máximo que os moradores de Ribeirão puderam se aproximar dos times grandes foi num São Paulo 0 x 0 Criciúma, no mesmo ano, ou na vizinha Sertãozinho, distante 18 quilômetros, ano passado. Sertãozinho Lauro; Pedro Paulo, Galeano e Erivélton; Ricardo Lopes, Elias, Rodrigo Silva, Assis e Lucas; Marcos Denner e Thiago Silvy Técnico: Barbieri Corinthians Felipe; Alessandro (Coelho), Chicão, William e André Santos; Bruno Octávio, Perdigão, Dentinho e Everton Ribeiro; Acosta e Finazzi Técnico: Mano Menezes Árbitro: Paulo Cesar de OliveiraEstádio: Santa Cruz, em Ribeirão Preto (SP)Horário: 21h45TV: Globo e Band   No ataque   Diante do Sertãozinho, o técnico Mano Menezes volta a utilizar o esquema ofensivo dos 2 a 0 diante do Paulista, com o meia Everton Ribeiro. O treinador não admite ver sua equipe desperdiçar pontos com equipes menores - já perdeu do São Caetano por 3 a 1 - e conversou bastante com o garoto nesta terça.   O esquema está traçado. A meta corintiana é conquistar 15 pontos seguidos, contra Sertãozinho, Mirassol, Barueri, Ituano e Bragantino. Vale lembrar que nenhuma das sensações do interior está nesta lista: a líder Ponte Preta, o vice líder Guaratinguetá e o surpreendente Marília. "Vamos estar em casa e temos de ganhar de qualquer jeito", avaliou Finazzi, que também já trabalhou em Ribeirão Preto. Foram 4 meses de testes no Botafogo em 1997.

Tudo o que sabemos sobre:
SertãozinhoCorinthiansPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.