Atuação do juiz revolta São Caetano

Só Mário Sérgio teve capacidade de explicar a atuação de Romildo Correa que ajudou como pôde o São Paulo a empatar com o São Caetano. Para o treinador do São Caetano era previsível o que aconteceu neste sábado à tarde no Morumbi. ?Fomos massacrados pelo juiz por um bom motivo. Não pudemos ganhar esse jogo. Os times médios quando começam a ameaçar os clubes grandes em campeonatos de pontos corridos precisam ser contidos. Isso é normal no Brasil. Faz parte da nossa realidade. O São Paulo foi contido taticamente e teve de apelar para o juiz para conseguir o resultado", desabafava Mário Sérgio. Até Rojas, técnico do São Paulo, confirmava a superioridade do São Caetano. Esperto só se recusou a comentar a arbitragem que o ajudou demais. ?Se o São Caetano continuar a jogar como contra nós poderá até lutar pela ponta do Brasileiro. Esses times fazem o ´jogo do ano´ contra adversários mais tradicionais. Se o juiz ajudou o São Paulo? Isso não vou responder", tentava escapar. Tirando todos os erros de arbitragem, os jogadores estavam interessados em comemorar a subida do São Paulo na tabela do Brasileiro. Atuando de maneira truncada e sem imaginação como neste sábado, a equipe chegou a 12 partidas sob o comando de Rojas com apenas uma derrota. ?Não vou classificar a maneira com que o São Paulo joga como chata. Prefiro o termo eficiente. Em uma partida difícil como contra o São Caetano conseguimos empatar e somar mais um ponto. Estamos em segundo lugar no Brasileiro. Nossa campanha é muito boa em um torneio de pontos corridos. Estamos no caminho certo", dizia Rogério Ceni. Luís Fabiano admitia que o time teve de se desdobrar para conseguir empatar em casa. ?O São Caetano conseguiu nos bloquear do início ao final do jogo. Não tínhamos espaço para chutar ao gol.Tivemos de apelar para a raça e a vontade. Só assim conseguimos buscar esse empate. Ele veio porque não desistimos nunca. Assim como a torcida, nós sofremos mas veio o pontinho importante na tabela do Brasileiro", resumia o jogador que alcançou Deivid na artilharia do campeonato com 12 gols. Ele marcou seu 28º gol em 30 partidas seguidas. Mas além do gol, Luís Fabiano fez muito mais em campo. Ele deu cotoveladas e tapas no rosto de Gustavo e chutou Marlon fora do campo. Outra vez, Romildo Correa fez que não enxergou o que todos no estádio viram. ?O Luís Fabiano estava muito nervoso e nos agrediu. Mas não foi expulso. O que nós podemos fazer a não ser reclamar?", perguntava o zagueiro Serginho. Kaká outra vez foi um dos piores jogadores em campo. Envergonhado pela bronca que levou de Rojas, o jogador saiu sem dar entrevistas. Ele estava aliviado porque viajará ao lado de Júlio Baptista com a seleção brasileira sub-23 para a Copa Ouro que será disputada nos Estados Unidos e México. O ídolo do São Paulo que foi novamente vaiado pelos torcedores no Morumbi ficará seis partidas longe do Campeonato Brasileiro. ?Reclamei com ele porque ele prendeu uma bola que poderia chutar para o gol ou passar a um companheiro. Desperdiçou um ataque importante", dizia Rojas. Kaká vem perdendo prestígio a cada jogo no São Paulo tanto com os torcedores, companheiros de time, técnico e dirigentes. Tanto que há serias dúvidas entre os conselheiros que seja verdadeira uma pretensa proposta de empresários ingleses pelo jogador que vive seu pior momento. O São Paulo voltará a atuar pelo Brasileiro na quarta-feira diante do Coritiba, no Paraná. Além de Kaká e Júlio Baptista, o time seguirá sem Ricardinho, contundido. Mas o pior desfalque deverá acontecer na arbitragem. Romildo Correa não estará lá para ajudar o time como neste sábado.

Agencia Estado,

05 de julho de 2003 | 20h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.