Divulgação
Divulgação

Audax nega que tenha vendido jogo para o Palmeiras

Clube de Osasco diz que decisão se baseou na perspectiva de obter boa renda para pagar uma taxa de transferência à Federação

Estadão Conteúdo

26 de janeiro de 2015 | 15h05

O Audax emitiu nota oficial nesta segunda-feira para defender sua opção de mandar o seu primeiro jogo do Paulistão, contra o Palmeiras, exatamente no estádio do clube paulistano, o Allianz Parque. O clube de Osasco assegura que "não houve inversão de mando e nem venda de jogo".

"Aconteceu apenas uma ação conjunta das pessoas bem intencionadas com o futebol, sempre pensando em um futuro ainda mais promissor para nosso clube e para a cidade de Osasco", escreveu o Audax, gerido pelo mesmo grupo que é dono do Grêmio Osasco, equipe que disputa a Série A3 do Campeonato Paulista - terceira divisão.

A nota, ilustrada com uma foto do ex-volante Vampeta, dirigente da equipe, alega que "o clube teria que pagar uma taxa de transferência junto à Federação Paulista de Futebol (FPF)". Ainda segundo o Audax, a partida será no Allianz Parque para "estabelecer uma boa renda com a partida e resolver em definitivo este problema (a taxa)".

Antigo Pão de Açúcar, o Audax mandava seus jogos em São Paulo, mas agora quer se firmar como equipe de Osasco, onde o Grêmio Osasco tem mais de 10 mil sócios-torcedores. A FPF, porém, cobra uma taxa de transferência - mecanismo para evitar esse tipo de transação que leva um clube de uma cidade para outra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.