Ausência de Aimar vira tema central em reunião argentina

A ausência do meia Pablo Aimar, do Valencia, virou o assunto principal da convivência de dois dias que a seleção argentina encerra nesta terça-feira, num antigo convento carmelita transformado em hotel de luxo em Boadilla del Monte, na região metropolitana de Madri.O técnico José Pekerman teve de afirmar que não tem nenhum problema pessoal com o jogador, que no mês passado ficou alguns dias internado por causa de uma meningite virótica. "É como a ausência de muitos outros, não há nada de especial, a esta convivência não define nada", afirmou o treinador.Também ficaram de fora medalhões como o ala Javier Zanetti e o zagueiro Walter Samuel, ambos da Inter de Milão. Outros jogadores, como os corintianos Tevez e Mascherano, não foram chamados por causa de seus compromissos com o time.O zagueiro Ayala, companheiro de Aimar no Valencia e capitão da seleção, afirmou que ainda acredita na presença do meia entre os 23 convocados, que Pekerman anuncia apenas no dia 15. "Ele é uma entre muitas opções", disse.A convivência, que reuniria 16 jogadores para avaliações médicas e físicas e palestras com Pekerman e a comissão técnica, teve uma baixa: Riquelme, que viajou para a Argentina para acompanhar o atacante Delgado, do Boca Juniors, cujo pai morreu recentemente. O meia do Villarreal teve de desmentir, em Buenos Aires, rumores de que teria problemas de relacionamento com o treinador da seleção."Tem muita gente que, de repente, não gosta de mim, e que sempre espera a hora certa para me meter em confusão, mas desta vez exageraram. Delgado é meu melhor amigo, é como meu irmão, e o mínimo que posso fazer é estar com ele neste momento", declarou Riquelme, que garantiu ter viajado com o consentimento de Pekerman.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.