Ronaldo Melo de Jesus/via REUTERS
Ronaldo Melo de Jesus/via REUTERS

Autoridades de Abu Dabi atribuem explosão na cidade que recebe o Mundial a um vazamento de gás

Incidente na noite de terça (horário local) assustou turistas e a população em meio à realização do torneio da Fifa

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 12h49

As autoridades da cidade de Abu Dabi negaram nesta quarta-feira a possibilidade de um ataque a míssil e atribuíram as explosões ouvidas no centro da capital dos Emirados Árabes Unidos, na noite de terça (horário local) a um vazamento de gás. O incidente assustou turistas e a população em meio à realização do Mundial de Clubes da Fifa.

A suspeita inicial era de que a cidade pudesse ter sido alvo de um novo ataque dos rebeldes Houthi, do Iêmen. Semanas antes da competição, em janeiro, as forças de defesa locais confirmaram que interceptaram mísseis balísticos que tinham Abu Dabi como alvo. Mas a versão foi negada pela Defesa Civil local nesta quarta-feira.

"A Defesa Civil de Abu Dabi publicou uma notificação, distribuída à toda mídia, confirmando que o incidente foi resultado de uma explosão de um cilindro de gás", informou a embaixada dos Estados Unidos na cidade. Segundo o jornal inglês Daily Mail, o elenco do Chelsea, que disputa a semifinal nesta quarta-feira, recebeu a mesma informação.

O clube inglês encara o Al Hilal, da Arábia Saudita, para definir o rival do Palmeiras na decisão do próximo sábado. O estádio da partida desta quarta-feira fica a 4,8 quilômetros do epicentro das explosões, o que teria gerado certa preocupação na delegação do Chelsea.

Já a delegação do Palmeiras está hospedada a 20 quilômetros do local, perto do aeroporto da cidade. Mas o incidente também causou preocupação em parentes de jogadores e comissão técnica que estão no país. Brasileiros que estão em Abu Dabi afirmaram, nas redes sociais, ter sentido tremores.

Os hotéis do centro da cidade abrigam também membros da imprensa e turistas que acompanham a competição. Na noite de terça, a polícia local isolou algumas áreas próximas ao local das explosões para averiguação e controle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.