Maek Lenninhan/AP
Maek Lenninhan/AP

Autoridades dos EUA se negam a comentar se Blatter é investigado

Americanos não têm o objetivo de impedir as Copas de 2018 e 2022

REUTERS

27 de maio de 2015 | 13h01

A procuradora-geral dos Estados Unidos, Loretta Lynch, se negou a responder nesta quarta-feira se o presidente da Fifa, Joseph Blatter, é alvo da investigação que apura corrupção no futebol mundial e disse que as autoridades norte-americanas não têm o objetivo de impedir as Copas de 2018 e 2022.

A operação feita por autoridades norte-americanas e suíças contra a corrupção no futebol mundial resultou na prisão, nesta quarta-feira, de dirigentes da Fifa, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin.

O Departamento de Justiça dos EUA alega que o ex-vice-presidente da Fifa, Jack Warner, pediu US$ 10 milhões (R$ 30 milhões) em suborno ao governo da África do Sul para sediar a Copa do Mundo de 2010. Os Mundiais de 2018 e 2022 serão realizados na Rússia e no Catar, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.