Autoridades francesas pedem punição para atos racistas

Secretário de Esportes da França pede Ação Judicial contra atos racistas na final Copa da Liga Francesa

EFE

30 de março de 2008 | 15h05

Diversas autoridades políticas e esportivas da França pediram neste domingo punições judiciais contra torcedores que carregavam um cartaz com insultos contra os cidadãos de uma parte do norte do país na final da Copa da Liga Francesa, quando o Paris Saint Germain derrotou o Lens por 2 a 1 no último sábado.   O secretário de Estado de Esportes francês, Bernard Laporte, afirmou que haverá "uma decisão judicial" independente da decisão da comissão de disciplina esportiva que abordará a questão.   Desta forma Laporte fez alusão aos processos apresentados pela Liga de Futebol Profissional francesa (LFP) e pelo prefeito da cidade de Lens, Guy Delcourt, contra os que carregavam o cartaz no jogo.   A faixa trazia a frase "Pedófilos, desocupados, consangüíneos: bem-vindos, Ch'tis", em alusão a um termo usado para se referir à parte mais popular dos habitantes da região fronteiriça entre França e Bélgica.   Laporte considerou "inadmissível" a veiculação de tal mensagem em um jogo de futebol e declarou à rádio "France Info" que os torcedores devem ser banidos dos estádios franceses por "pelo menos um ano".   "Deve haver sanções firmes e definitivas", comentou o secretário de Estado, que disse ser contra os processos de Delcourt e do presidente do Lens, Gervais Martel, para que a partida de sábado seja disputada novamente.   Para Laporte se o jogo fosse disputado outra vez "os torcedores abririam cartazes cada vez que sua equipe estivesse perdendo".   O secretário acrescentou que "o que ocorre no campo não tem nada a ver com o que ocorre nos tribunais". Vários ministros franceses que estavam na final da Copa da Liga Francesa manifestaram sua solidariedade a Martel diante dos insultos do cartaz.   O prefeito de Paris, Bertrand Delanoë, chegou a deixar o estádio antes do final do jogo como forma de protesto.

Tudo o que sabemos sobre:
RacismoCampeonato Francês

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.