Helio Torchi|SigmaPress
Helio Torchi|SigmaPress

Secretário afirma que vítima em briga de torcida foi identificada

IML, entretanto, diz que corpo ainda não foi reconhecido

Ciro Campos e Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

04 de abril de 2016 | 21h32

O secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, disse que as autoridades já sabem a identidade do homem morto em São Miguel Paulista, Zona Leste de São Paulo, antes do clássico entre Palmeiras e Corinthians no domingo. “A pessoa já foi identificada. Temos nome, idade e qualificação.” Em seguida, alegou não ter a informação em mãos e encaminhou o caso para a assessoria de imprensa da Secretaria. O departamento, por sua vez, garantiu ainda não ter esse dado.

O IML de Artur Alvim também negou nesta segunda-feira que a vítima já tenha sido reconhecida. Duas famílias foram ao local, mas não identificaram o corpo. O nome do idoso, que não portava documentos, ainda não foi divulgado. Até o momento, sabe-se que ele tinha em torno de 60 anos, 1,70 m de altura, pele branca, apresentava cabelos grisalhos, calvície parcial e exibia um porte físico “forte”. A descrição foi registrada no Boletim de Ocorrência, obtido pelo Estado. O caso foi registrado no 63.º Distrito Policial, localizado na Vila Jacuí.

“No local do confronto, defronte ao numeral 05 da Praça, encontra-se o corpo de um indivíduo de aproximadamente 60 (sessenta) anos, branco, calvo, grisalho, porte médio para gordo, ferido mortalmente por disparo de arma de fogo com perfurações no flanco esquerdo superior e do lado direito, abaixo da axila”, consta no documento. 

O pedestre levou um tiro no coração e teve o tronco perfurado pela bala, que saiu pelo lado direito do corpo. “A vítima chegou a ser socorrida, porém, já se encontrava em óbito no local”, informa o boletim de ocorrência. Não foram localizadas armas de fogo na confusão.

O secretário Alexandre de Moraes explicou que os policiais que estavam na região foram submetidos a exames e a possibilidade de o tiro fatal ter saído de alguma arma dos oficiais foi descartada.

Se o corpo da vítima não for identificado no Instituto Médico Legal de Artur Alvim, pode ser sepultado como indigente a partir de 72 horas. A espera pode chegar até no máximo 15 dias, desde que haja espaço nas geladeiras do IML. As impressões digitais foram colhidas e mandadas para análise.

O recurso de vídeo pode ser uma alternativa na busca da identidade dos envolvidos. “Existem câmeras de segurança nos numerais 03 e 176, da Praça onde os fatos ocorreram. Existem câmeras de segurança na Estação de Trem de São Miguel Paulista”, diz documento.

Segundo a ocorrência, torcedores do Palmeiras estavam concentrados em uma praça, de maneira pacífica, quando foram surpreendidos por corintianos, armados com pedaços de pau, pedras e rojões. Os palmeirenses correram em direção à estação São Miguel Paulista, da CPTM, em busca de abrigo. Eles foram seguidos pelos rivais. Três suspeitos foram capturados pela Polícia Militar e liberados após depoimento. 

Foram apreendidos 40 cabos de madeira e pedaços de ferro usados pelos membros da torcida do Corinthians durante o conflito. Além disso, foram encontrados quatro rojões e uma touca preta. A polícia descarta qualquer envolvimento da vítima na briga entre os torcedores rivais.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCorinthiansPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.