Autuori coloca Aloísio na briga

Aloísio pode repetir a história de Amoroso, que chegou no final da Libertadores e terminou como titular. Vindo do Atlético-PR, inscrito na última hora, Aloísio tem ganho espaço no São Paulo, apesar de não haver feito uma única partida com os outros jogadores. Hoje, o elogio veio de Paulo Autuori, que gostou muito de sua contratação ao Atlético-PR. "Ele tem chance de ser titular, isso é inegável. Está nessa briga com os outros. Gostei muito do treinamento dele e a vaga está aberta." E Aloísio treinou bem mesmo. O treino pela manhã visava a marcação sob pressão na saída de bola do adversário. Seu time tinha Flávio, Fábio Santos, Leandro Bomfim, Alex, Edcarlos e Cicinho. Aloísio importunou bastante os zagueiros dos outros times, fez um gol e tentou várias vezes a jogada de "peixinho." O problema muscular na coxa direita parece superado. No treino da noite, que visava aprimorar o posicionamento defensivo, repetiu o bom desempenho e incomodou bastante a Lugano, Fabão e Edcarlos. "Eu estou me sentindo muito bem nesse clube. Cheguei agora, mas parece que estou aqui há muito tempo. Todos me receberam muito bem e eu espero colaborar para ganhar esse Mundial." Aloísio joga bem melhor do que fala. Não gosta de dar entrevistas. Sempre tenta escapar, quando é escolhido por jornalistas. "Não sou notícia", é o argumento que usa para os assessores de imprensa para escapar das perguntas. "Fiquei um pouco parado e estou recuperando a coordenação. Estou me entrosando bem com os companheiros e acho que posso jogar bem", foi o que se conseguiu ouvir dele, que pode ser titular no Mundial. Com Christian em má fase, Grafite ainda se recuperando e Thiago Ribeiro, com 19 anos, Aloísio pode se acostumar a falar, porque, como titular vai ser difícil se esconder. Lugano, ao contrário, fala muito. Muito mais do que quando chegou, no início de 2003, com cara de poucos amigos e futebol incipiente. Agora é ídolo firmou-se também em seu país. "O Uruguai ficou fora da Copa do Mundo e isso foi um grande trauma para mim. Foi minha primeira grande derrota no mundo do esporte. Mas, não se pode misturar as coisas. O povo uruguaio queria ver seu time no Mundial. Não deu. O povo são-paulino quer ver seu time campeão do Mundo. E ainda dá para conseguir." Não é uma compensação pela eliminação do Uruguai. "Apesar de tudo, 2005 foi um ano bom para mim. Mas, o tempo é rápido e você tem de buscar novos objetivos. O meu agora é ser campeão do mundo pelo São Paulo. Ganhei muito esse ano, mas sou ambicioso e sonho com esse título aí." Há poucos dias, Lugano foi eleito como o melhor zagueiro do Campeonat Brasileiro. Uma alegria, mas também uma marca a mais vencida por ele. "Sempre quis provar que seria possível jogar de forma competitiva no melhor futebol do mundo. Consegui isso e essa indicação é a prova disso." Vencer no futebol brasileiro é sinal de transferência para a Europa. Já houve ofertas do Liverpool, do Sevilha e agora fala-se do Milan. A pergunta é a senha para que Lugano volte a ficar mudo como antes. "Futebol é dinâmico, não dá para ficar falando muito nisso." Ele quer falar mesmo é do Mundial. "Nós estamos bem, mas há muito a fazer ainda. Todo o trabalho aqui tem sido bem feito e nós temos de jogar bem porque não tem desculpas caso a gente jogue mal."

Agencia Estado,

08 de dezembro de 2005 | 15h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.