Autuori confia na conquista do título

A atuação do São Paulo no segundo tempo do jogo contra o Atlético-PR, ontem, em Porto Alegre, deixou o técnico Paulo Autuori mais confiante na conquista do título da Taça Libertadores. Depois de sair atrás no marcador, o time subiu de produção e foi buscar o empate por 1 a 1. "Se mantivermos essa atitude, no Morumbi, as coisas podem se tornar menos difíceis", afirmou. "Mas o resultado não define nada, os números são frios. Uma coisa é ser considerado melhor, outra é estar melhor em campo, e é isso que precisamos fazer." Apesar de todo o cuidado ao falar sobre o adversário, o semblante do treinador era de visível tranqüilidade depois do jogo no Beira-Rio. Autuori elogiou a postura tática da equipe, que não se abateu quando sofreu o gol de Aloísio. "A equipe melhorou muito, muito mesmo no segundo tempo e tivemos até a chance de vencer", opinou. "Passamos a trabalhar com mais velocidade, além de sair com mais consistência pelas laterais, com o Cicinho e o Júnior." Na opinião do treinador, a dupla de volantes Mineiro e Josué também foi fundamental para a boa atuação. "Especialmente pela condição física que os dois possuem, ajudaram o time a brigar com o meio-campo do Atlético", observou. "A equipe foi mais solta no segundo tempo, é preciso uma condição física excelente para atuar dessa forma nos 90 minutos." Autuori, no entanto, ainda não está totalmente satisfeito com o rendimento da equipe. "Satisfeito só vou ficar se vencermos o segundo jogo", disse. "No início da partida, tivemos mais facilidade do que esperávamos, mas afrouxamos a marcação, vacilamos numa jogada previsível e o Atlético fez o gol." FUTEBOL MUSCULOSO - Autuori demonstra conhecer todas as armas do adversário. Já esperava o jogo viril dos paranaenses - facilitado pelo gramado molhado do Beira-Rio - e não espera outro tipo de comportamento, no Morumbi. Além dos contra-ataques velozes, alerta para as bolas alçadas na área. "O Atlético tem um tipo de futebol musculoso, usam muito as bolas aéreas", apontou. "E fazem isso muito bem, têm obtido bons resultados e iriam conseguir novamente, se o São Paulo não corrigisse seus defeitos no segundo tempo." A postura do rival também justifica o fato de Autuori não ter feito alterações na equipe, na etapa final. "Precisávamos manter a consistência defensiva, especialmente com os três zagueiros", aponta. "Se eu fizesse alguma mudança, até o jogador entrar no ritmo da partida, poderíamos ter sido surpreendidos." Para o segundo jogo final, o treinador também confia no fato de o time decidir o título no Morumbi - onde a equipe não perde pela Taça Libertadores desde 1987 e venceu os seis jogos que disputou na competição deste ano, com 18 gols marcados e apenas três sofridos. "O São Paulo é fortíssimo dentro de sua casa, a história mostra", observou. "Isso nos dá tranqüilidade sim, mas não garante nada, pois precisamos confirmar o favoritismo em campo, atuando melhor do que o adversário."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.