Autuori está conquistando o São Paulo

Paulo Autuori tem conquistado os jogadores do São Paulo com um estilo muito diferente de Leão, seu antecessor. A primeira diferença é na relação com a imprensa. Autuori nunca faz comentários irônicos sobre jogadores, como Leão fazia.Luizão é um exemplo. Leão o chamava de "jogador de risco" e de "quero-quero", passarinho de pernas finas e barriga grande. Autuori o chama de "rato de área", um artilheiro sempre à espreita de uma oportunidade de marcar.O zagueiro Alex é outro que sentiu a diferença. Leão dizia a quem quisesse ouvir que ele era um jogador que tentava ser clássico, sem ter as condições necessárias. "Ele é lento e pensa que é Luís Pereira", repetia várias vezes. Autuori, não. "Ele me chamou de lado e disse que gostaria que sabia das minhas qualidades técnicas, e pediu que eu jogasse como nos tempos do Santo André. Isso me deu muita confiança."O novo treinador foi mais ousado na hora de mudar o esquema para 4-4-2. Leão tentou e desistiu. Autuori implantou o novo esquema, que defende arduamente. "Acho um retrocesso um time brasileiro jogar com três zagueiros. Isso é cômodo para os treinadores e para os zagueiros, mas não é bom para o futebol."Ao contrário de Leão, Autuori não reclama em público das falhas do elenco. "Toda ação tem hora e local apropriados para acontecer", responde. Ele também tem dado um destaque muito grande à Comissão Técnica. Ouve a todos. Dá importância a Milton Cruz, que não era levado em conta na mesma intensidade por Leão.As preleções de Autuori são muito maiores que as de Leão, que preferia passar ensinamentos durante a semana, falando pouco nos dias de jogo. Os treinos visam mais a parte tática do que coletivos. Os dois, como 100% dos técnicos brasileiros, só coincidem no rachão da véspera de jogos. Leão foi campeão. Autuori ainda tenta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.