Autuori procura substituto para Cicinho

O técnico Paulo Autuori tem uma tarefa complicada esta semana: encontrar um substituto para o lateral-direito Cicinho, que recebeu o terceiro cartão amarelo contra o Paysandu e não enfrenta o Botafogo, domingo, no Rio. A idéia inicial de Autuori é escalar o jovem Hernanes, que vem sendo testado em várias posições. Outra opção é Alê, que por ser volante de origem, possui mais eficiência na marcação. Souza, que chegou a atuar na lateral em alguns jogos do Campeonato Brasileiro, deve seguir como titular do meio-campo. Pelo menos, Autuori terá tempo para se decidir. Como o São Paulo não joga na quarta-feira, o técnico novamente poderá realizar treinos táticos com o elenco ? o que, segundo sua análise, tem sido o principal fator para a reação do time na competição nacional. ?Não fizemos nenhuma mágica com a equipe. Bastou termos tempo para trabalhar e os resultados apareceram?, insiste Autuori. Como foi convocado para a seleção brasileira ? que joga contra Bolívia e Venezuela, dias 8 e 12 de outubro, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo ?, Cicinho deve desfalcar o São Paulo em outros dois jogos do Brasileiro: contra o Internacional, dia 5, em Porto Alegre, e diante da Ponte Preta, dia 11, no Morumbi. Existe a possibilidade de a diretoria pedir à CBF que o jogador só se apresente ao técnico Carlos Alberto Parreira dia 6, para que atue contra o time gaúcho. Se a liberação não for concedida, Autuori terá de improvisar na posição nas três partidas seguintes.UNIFORME - A diretoria resolveu adiar por mais alguns dias a definição sobre o novo fornecedor de uniforme do clube. A comissão designada pelo presidente Marcelo Portugal Gouvêa ainda analisa detalhes das propostas apresentadas pela Reebok, Puma e Penalty ? que apesar de financeiramente semelhantes, incluem ações de divulgação da marca da empresa em placas de publicidade no Morumbi e outros locais do clube.De posse do parecer técnico da comissão ? que deve ser tomado até sexta-feira ?, Gouvêa encaminhará a decisão do Conselho Deliberativo, para a aprovação final.O novo fornecedor do uniforme substituirá a Topper, cujo contrato termina em dezembro. Desde o início das negociações, da qual participaram diversas empresas, a norte-americana Reebok teria feito a melhor proposta. Os dirigentes esperam assinar acordo por três anos, que deve render cerca de R$ 10 milhões por temporada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.