Autuori teme jogo aéreo argentino

O técnico Paulo Autuori dedicou grande parte do treino de hoje do São Paulo para corrigir e orientar posicionamento de seu setor defensivo, para evitar surpresas nas bolas paradas e no jogo aéreo argentino. Além dos três zagueiros, Lugano, Alex e Fabão, os volantes Josué e Mineiro, o meia Danilo e o atacante Luizão terão de estar na área são-paulina em todo lance de escanteio ou falta do River Plate. "Ele nos disse que os argentinos vão tentar, a todo momento, fazer gols em cruzamentos para a área. Principalmente nos minutos finais, se estivermos com bom resultado", revelou o zagueiro Alex, também um estreante em jogos na Argentina. "Foi mais por precaução, pois nosso time demonstrou grande futebol no jogo de ida, principalmente na defesa", concluiu o atacante Amoroso. Alex é outro jogador que engrossa o coro de não estar com medo de nada. "Sei que dentro de campo o pau come, mas já vivi situação muito ruim aqui mesmo no Brasil", afirmou. Lembrava-se da fase final da Série C do Brasileiro de 2002, ainda pelo Santo André. "Os vestiários estavam trancados, a gente se trocou no corredor, muito fedido, e encarou pedradas", lembrou. "Sem contar que a cada gol deles, a torcida invadia o campo." O duelo acabou 3 a 1 para o Bragantino. NA TORCIDA - Recuperando-se de cirurgia no joelho direito, o atacante Grafite vai tentar torcer para os companheiros quarta-feira. "No primeiro jogo só consegui assistir ao primeiro tempo. Fiquei muito nervoso", disse. "E quarta-feira o bicho pega. Mas enquanto agüentar, vou torcer muito." Grafite vai tirar os pontos esta semana e na próxima, já deixa de andar com auxílio das muletas. Esperançoso, acredita em voltar a jogar no fim de novembro, contrariando expectativas de retorno só em 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.