Autuori tenta dar confiança ao Peru

Ao entrar no vestiário do Peru, após o empate contra o Brasil, Paulo Autuori sentiu os seus jogadores um pouco desanimados. Traziam a impressão de que haviam jogado melhor do que os campeões do mundo e mesmo assim não venceram. "Falei para eles que deviam estar contentes porque mostraram raça e vontade de vencer, enfrentando de igual para igual ao melhor time do mundo", disse o treinador brasileiro, por telefone, três horas após o final da partida de domingo em Lima. Autuori sabe que, para ir longe nas Eliminatórias, precisa ter jogadores confiantes. "O Peru tem jogadores com técnica muito boa, mas tática e fisicamente eles precisam melhorar muito. E tem também o lado emocional. Se estiverem de cabeça baixa por terem empatado contra o Brasil, tudo se complica", afirmou. Autor do gol de empate, Solano é um dos veteranos em que Paulo Autuori resolveu confiar, apesar do fracasso nas últimas Eliminatórias. "O nível do Campeonato Peruano é fraco, tem pouca competividade e por isso apostei em jogadores que disputam ligas competitivas, trazendo também algumas revelações do Campeonato Peruano. Muita gente faz pressão para que eu escale o Morán, do Cienciano, em lugar do Jorge Soto, que joga no México. Só que em uma partida contra o Brasil, um jogo importante, acho melhor confiar em jogadores experientes e que não vão sentir o jogo." Na quarta-feira, o adversário é o Equador e Autuori novamente vê dificuldades pela frente. "A altitude atrapalha os adversários e joga a favor do Equador. Além disso, perdi o Solano e tenho o Hidalgo contundido. Vou pensar muito bem no que fazer. Se empatarmos, terei terminado o ano dentro das previsões, perto da zona de classificação. Não podemos esquecer que tivemos dois jogos muito difíceis aqui em Lima. Um contra o Paraguai, na estréia, que é um time muito duro e outro contra os campeões do mundo. Agora, as coisas podem melhorar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.