Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

Auxiliar da seleção, Sylvinho verá clássico espanhol e mais três jogos na Europa

Comissão técnica do time comandado por Tite analisa alguns jogadores que podem ser convocados

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2019 | 12h19

A serviço da seleção brasileira, o auxiliar-técnico Sylvinho estará nas tribunas do Camp Nou nesta quarta-feira para observar o clássico espanhol entre Barcelona e Real Madrid, pela semifinal da Copa do Rei. Ele vai observar os jogadores brasileiros em campo, de olho nas futuras convocações do técnico Tite.

O clássico espanhol é um dos oito jogos que Sylvinho já observou ou ainda acompanhará nos estádios europeus nos próximos dias. A série de partidas teve início ainda no fim de janeiro, no dia 26, com o duelo entre Porto e Sporting, na final da Taça da Liga Portuguesa.

No dia 29, o auxiliar esteve no jogo entre Milan e Napoli, pela Copa da Itália. Ainda em solo italiano, ele assistiu às partidas Juventus x Parma e Roma x Milan, ambas pelo Campeonato Italiano, nos dias 2 e 3 deste mês.

Um dos focos de Sylvinho nestes jogos do Milan foi o meia-atacante Lucas Paquetá, ex-Flamengo. "É um atleta de importante monitoramento e que tem respondido bem a esse estágio de adaptação. O Milan é um grande clube, bem organizado pelo Gattuso e possui movimentos táticos parecidos com o da seleção. Essas primeiras avaliações do Paquetá na Europa são muito positivas e sem dúvidas é um jogador com muita margem de crescimento", comenta.

Depois do Barcelona x Real Madrid, o auxiliar de Tite assistirá mais três jogos in loco no continente europeu: Paris Saint-Germain x Bordeaux (09/02), Milan x Cagliari (10/02) e Roma x Porto (12/02).

Com duas partidas do Porto na série, o auxiliar indica o interesse de Tite em convocar futuramente o zagueiro Felipe (ex-Corinthians) e Éder Militão (ex-São Paulo), que atua como zagueiro e lateral. Ambos vivem bom momento no clube e até já despertaram o interesse de outros clubes europeus.

"Nosso processo é a distância. Por isso somos muito criteriosos numa observação. Além de estarmos presencialmente nos estádios, ou em treinamentos, seguimos com análises em vídeos e assistindo aos jogos pela televisão. Tudo isso para formar um conceito do jogador. E esse conceito não pode ser fechado com apenas um jogo ou apenas um clássico. Precisamos relativizar e assistir mais jogos e em diferentes níveis técnicos e de excelência", afirma Sylvinho.

De acordo com a CBF, uma nova fase de observações na Europa acontecerá ainda neste mês, com o auxiliar tecnológico Matheus Bachi e o preparador físico Fábio Mahseredjian.

 
 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.