Felipe Trueba/EFE
Felipe Trueba/EFE

Auxiliar de Deschamps exalta ambição de jogadores e vê França entre as favoritas

Bom futebol contra a Argentina impressionou até mesmo os rivais na Copa do Mundo

Estadão Conteúdo

02 Julho 2018 | 09h02

A seleção francesa deu um importante passo na luta pelo seu segundo título da Copa do Mundo no último sábado, ao eliminar a Argentina nas oitavas de final, com a vitória por 4 a 3. Mais do que o resultado, o bom futebol da equipe impressionou e a colocou de vez entre as favoritas à conquista, principalmente após a queda de times como Alemanha, Espanha, Portugal e os próprios argentinos.

+ Griezmann exalta Mbappé e vive expectativa de duelo com o amigo Godín nas quartas

+ Pogba rasga elogios a Messi: 'Aprendo com ele, me faz amar o futebol'

+ Coincidências com 1998 animam França na busca pelo título na Rússia

"Me parece que já éramos um pouco favoritos antes, embora nunca tenhamos disto isso. É uma Copa do Mundo muito especial, de toda forma, quanto o defensor do título (Alemanha) e o último vice-campeão (Argentina) não estão mais, assim como outras favoritas. Seguimos em frente. Os jogadores têm ambição e há batalhas esperando por nós", declarou o auxiliar-técnico de Didier Deschamps, Guy Stephan, em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

Passada a euforia com a classificação, a França terá tarefa difícil na próxima sexta. Afinal, encara o Uruguai, em Nijni Novgorod, pelas quartas de final. O trabalho pode ser facilitado se Cavani, que sentiu uma lesão muscular nas oitavas, não atuar, mas a seleção francesa garante que sequer trabalha com esta possibilidade.

"Ele é um importante jogador do time deles. Eles sempre tiveram atacantes valiosos, como Forlán, Suárez e outros antes. Obviamente, não será a mesma coisa se ele (Cavani) não jogar. Mas, neste momento, nós consideramos que ele vai estar em campo", afirmou Stephan.

 

Se o Uruguai pode não ter Cavani, a França deve ir a campo com o que tem de melhor. O lateral-direito reserva, Sidibé, chegou a dar um susto no treino de domingo ao deixar o campo com um problema no tornozelo, mas, a princípio, não preocupa. Assim como o titular pelo lado esquerdo, Lucas Hernández, que acusou dores musculares após o duelo com a Argentina.

"A princípio, Sidibé não tem nada importante, o que não significa que ele treinará normalmente hoje", explicou Stephan. "O Lucas continua o tratamento, está da mesma forma", complementou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.