Bruno Cantini/Atlético
Bruno Cantini/Atlético

Auxiliar do Atlético-MG exalta Róger Guedes e Tomás Andrade após goleada

Equipe mineira venceu o Fluminense por 5 a 2 e subiu para a vice-liderança do Brasileirão

Estadão Conteúdo

11 Junho 2018 | 04h34

Os jogadores Róger Guedes e Tomás Andrade ganharam elogios do auxiliar técnico do Atlético Mineiro, Kaio Fonseca, após a sonora goleada de 5 a 2 sobre o Fluminense, neste domingo. No Independência, a dupla brilhou em campo e ajudou a conduzir a equipe à vice-liderança do Brasileirão.

+ Leia mais notícias sobre o Atlético-MG

+ Confira a tabela de classificação do Campeonato Brasileiro

+ Róger Guedes faz golaços, Atlético-MG goleia Fluminense e sobe à vice-liderança

"O Róger é um jogador com poder decisivo muito grande. Em cada treinamento, a entrega dele para o grupo faz com que as individualidades se sobressaiam. No caso dele, não é diferente. Ele é um cara que está comprometido, está entendendo o que a gente quer, tem auxiliado a gente. Quando ele se doa para o grupo, as coisas acontecem naturalmente", disse Fonseca, que substituiu o suspenso Thiago Larghi neste domingo.

Guedes marcou dois dos cinco gols atleticanos. Mas não brilhou sozinho. Um dos que mais se destacou em campo foi o meia Tomás Andrade, autor do terceiro gol da equipe. "O Thiago [Larghi] já falou várias vezes que o Tomás é um jogador que tem capacidade de fazer os dois lados do campo e por dentro também. A gente ganha com esse tipo de jogador."

Para Fonseca, a goleada só foi possível graças à disciplina dos atleticanos em campo. "Nossos jogadores conseguiram cumprir o que tínhamos planejado estrategicamente durante a semana, de ter paciência, de ficar com a bola. E, a partir do momento que fizemos o resultado, o Fluminense se abriu mais e a gente pôde aumentar o placar", comentou.

E também destacou o apoio da torcida. "Acho que a mudança de jogo, na volta para o segundo tempo, que a torcida começou a empurrar. Era normal que o empate no final do primeiro tempo gerasse uma certa desconfiança no torcedor e pelo contrário, nos incentivaram, cantaram, colocaram o time para cima", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.