Reprodução/TV Palmeiras
Reprodução/TV Palmeiras

Auxiliar do Palmeiras valoriza empate e elogia Emerson Santos como volante

João Martins elogia capacidade do time em segurar o placar de 2 a 2 com o Santos na Vila Belmiro

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2020 | 20h59

A comissão técnica do Palmeiras saiu satisfeita da Vila Belmiro, neste sábado, depois do empate por 2 a 2 com o Santos, pelo Campeonato Brasileiro. Prova disso é que o auxiliar João Martins elogiou bastante o empenho da equipe em lidar com os desfalques e a segurar o resultado mesmo sem ter uma atuação brilhante como a da última quarta-feira, quando ganhou do Delfín, pela Copa Libertadores, por 5 a 0.

Martins foi o escolhido do clube para conceder entrevista coletiva principalmente porque o treinador Abel Ferreira está afastado do time após ter sido diagnosticado com o novo coronavírus. Quem dirigiu a equipe à beira do gramado foi outro auxiliar, Vitor Castanheira. "Dentro de tudo conseguimos ter um desempenho positivo e fizemos de tudo para ganhar. Queríamos ter ganho, trabalhamos para isso. Mas, quando não se ganha, é bom não perder", destacou.

O Palmeiras saiu atrás no clássico, mas virou no segundo tempo e permitiu o Santos a igualar, já na etapa final. A equipe tinha 12 desfalques no elenco entre jogadores suspensos, machucados e casos de covid-19. Por isso, o auxiliar técnico afirma que não se pode criticar o resultado, em especial por ter sido diante de um adversário de qualidade e que atuou como mandante.

"Cada jogo tem uma história. Sabíamos das dificuldades, é um clássico fora de casa, com luta, muito espaço, o campo também estava difícil. Sabemos que nem sempre conseguimos criar dez chances de gol", disse. "Sabemos os pontos fortes deles. Tentamos estratégias. Nem sempre dá certo, mas em um modo geral, conseguimos. Damos parabéns ao time por não desistir, pela resiliência, por lutar até o fim, mesmo com dez. Soube estar junto, sofrer junto", afirmou o auxiliar em uma referência à expulsão de Zé Rafael nos minutos finais.

Pela quantidade de desfalques, o Palmeiras precisou improvisar o zagueiro Emerson Santos no papel de volante. E a comissão técnica aprovou. "Ele teve um desempenho muito positivo. Sabíamos que não é a posição número 1 dele, mas teve um desempenho positivo e deu o seu melhor. O Santos ia usar muito as transições e ele conseguiu ser o primeiro tampão", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.