Aventura pode custar caro ao Corinthians

A aventura do Corinthians na Rússia deve custar caro ao time no jogo de sábado, às 18h, contra o Fortaleza, no Pacaembu. A delegação desembarcou no aeroporto internacional de Cumbica, hoje, às 17h20, sentindo demais o cansaço da maratona. Na viagem de volta alguns jogadores ficaram 30h sem dormir. O meia André Luiz não negou os prejuízos que essa viagem pode representar ao futuro da equipe no Campeonato Brasileiro. "Não sei até onde isso foi certo para nós. Não sei se não teria sido bem mais interessante fazer uma mini pré-temporada aqui mesmo, juntar o grupo. Sei que o futebol brasileiro está em crise, mas os prejuízos técnicos são enormes. Eu mesmo só penso em descansar. Não vou treinar amanhã nem quarta-feira". André apareceu com os olhos extremamente avermelhados no saguão do aeroporto. Sua expressão não era diferente da de seus companheiros, mesmo viajando na primeira classe. No entanto, os outros, principalmente os mais jovens, evitaram condenar abertamente o amistoso contra o Saturn Ramenskoye, vencido pelos russos, por 1 a 0. André Luiz, jogador de grande bagagem internacional, falou pelos companheiros. "Os caras estão arrebentados. Não será com um dia de descanso que o time vai se recuperar de tanto desgaste. Aliás, os jogadores não poderão ser cobrados se as coisas não saírem como a gente espera no sábado". De acordo com André, não foi apenas a viagem de ida e de volta que desgastou a equipe. O time também sofreu na hora de treinar. "Algumas coisas deram erradas para a gente. Treinar era um enorme sacrifício. Era 1h30 de viagem para chegar ao estádio e 1h30 para voltar ao hotel. Isso mata qualquer um". Os jogadores também sofreram com o idioma. André fala inglês e francês mas praticamente não conseguiu se comunicar. "Lá é russo e acabou. Quase ninguém conversa em outro idioma". Para não dizer que houve nada de bom na viagem, o amistoso contra o Saturn serviu para que próprio André Luiz ganhasse rítmo de jogo após a contratura muscular na coxa esquerda. Ele jogou os 90 minutos e deu um bom rítmo à equipe, segundo o técnico Geninho. O problema é que agora o jogador terá de descansar uns dois ou três dias. "Além de tudo, foi um jogo atípico, de muita correria. O estilo de jogo russo é diferente. Vale mais a força física. Isso também aumentou o desgaste da nossa equipe". Ao contrário de André Luiz, o técnico Geninho só fez elogios à viagem. "Valeu como experiência. Enfrentamos um estilo de jogo diferente. Os russos dão muitos carrinhos, os trancos são jogadas normais. Claro que os jogadores mais jovens sentiram, mas pudemos fazer algumas experiências. Como o Fininho está suspenso pelo terceiro cartão amarelo e não poderá enfrentar o Fortaleza, já pudemos testar o Moreno e o Roger na lateral". Geninho disse que só escalou Doni para dar rítmo ao goleiro. Hoje, porém, o técnico confirmou que Rubinho continua sendo o titular e vai jogar contra o Fortaleza. "Usei o mesmo critério adotado no passado, quando o Doni era o titular e eu escalei o Rubinho no jogo contra o The Strongest, da Bolívia, pela Libertadores. Queria que o Doni ganhasse rítmo. Só isso". Do aeroporto, os jogadores foram dispensados pelo treinador. Amanhã é folga geral. Quarta-feira, o time deve trabalhar só à tarde, num rítmo bem moderado. O desafio agora vai ser recuperar fisicamente os jogadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.