Bahia acha que não teve sorte

Decepcionados com a eliminação mas felizes pela boa campanha no Brasileiro, os jogadores do Bahia retornaram hoje a Salvador após o empate com o São Caetano sem abertura de contagem. Apesar da desclassificação, centenas de torcedores foram receber a equipe no aeroporto da capital baiana e parabenizar os jogadores por terem deixado o torneio "de cabeça erguida" como definiram. O melhor jogador em campo do Bahia, o goleiro Émerson, chorou após o empate e ainda estava emocionado hoje, lamentando a falta de sorte na partida de ontem. "Faltou um pequeno detalhe para a gente prosseguir", comentou. Foi nessa mesma linha, a explicação do técnico Evaristo de Macedo. "A sorte que nos ajudou tanto em diversos momentos do Brasileiro, nos abandonou contra o São Caetano", disse, referindo-se à falta cobrada no final da prorrogação pelo zagueiro Jean Elias, que o goleiro Silvio Luís, pegou "no susto". O próprio zagueiro reconheceu os méritos do São Caetano, mas fez questão de assinalar o lance que poderia ter decidido a partida em favor do Bahia. "O Silvio Luís é um grande goleiro e deu sorte naquela bola", disse. Já o meia Preto destacou que a atuação do Bahia foi uma resposta a quem achava que a equipe iria levar uma goleada do São Caetano. Evaristo fez um balanço positivo da atuação do Bahia no Brasileiro. "Foi uma campanha digna de aplausos", observou. Além da boa participação na principal competição do País, o Bahia teve um ano bom. Venceu a Copa do Nordeste e o Campeonato Baiano em 2001. O grupo de jogadores está junto há um ano e meio e deve continuar em 2002. Evaristo renovou seu contrato com o clube e vai comandar a equipe no próximo ano. O preparador físico Lúcio Novelli também deve continuar. O técnico pretende tirar pelo menos uma semana de férias e começar a pensar na preparação da equipe para a próxima temporada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.