Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Bahia, ainda sem Mano, e Grêmio se enfrentam para encerrar jejum de vitórias

Equipe da casa não vence há cinco jogos no Brasileirão; gaúchos já somam seis partidas sem vitória

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 07h10

Bahia e Grêmio se enfrentam nesta quinta-feira, às 19h15, diante do Bahia, no estádio de Pituaçu, em Salvador, em duelo válido pela nona rodada do Campeonato Brasileiro, para encerrar o jejum de vitórias na competição. A equipe da casa, que ainda não terá Mano Menezes, contratado para o lugar de Roger Machado, no banco de reservas, não ganha há seis jogos. O jejum dos gaúchos é ainda maior: seis partidas.

Em sete partidas no Brasileirão, o Grêmio venceu apenas uma, a da estreia, sobre o Fluminense, por 1 a 0. De la para cá, empatou cinco vezes e perdeu uma, o que gera um aproveitamento de apenas 38%, o que por sua vez suscita críticas dos torcedores. Com isso, a equipe gaúcha soma oito pontos e briga na parte de baixo da tabela.

O início nesta edição da competição nacional é o segundo pior do Grêmio desde 2003, ano em que o torneio passou a ser disputado em pontos corridos. O técnico Renato Gaúcho admite que está preocupado com o baixo aproveitamento. No entanto, tem dito reiteradamente que não existe crise na equipe e que confia que o time vai voltar a jogar bem e decolar, a exemplo do que ocorreu no ano passado, quando começou mal, mas arrancou e terminou em quarto.

"Não temos o aproveitamento que queríamos, mas com uma ou duas vitórias, você dá um pulo muito grande na tabela no Brasileiro. Quando não vence, perde algumas posições. Não podemos esquecer que o Grêmio tem uma partida a menos que os adversários", afirmou.

O treinador não terá jogadores importantes para o duelo. A começar pela dupla de zaga titular, formada por Pedro Geromel e Kannemann, que cumprirão suspensão e são desfalques. Há outras quatro baixas por lesão: Jean Pyerre, Victor Ferraz, Maicon e Pepê.

Orejuela segue na lateral direita, Lucas Silva deve continuar no meio de campo, Everton será mais uma vez titular no ataque e Isaque é o mais cotado para ficar com a vaga de Jean Pyerre. Na zaga, jogam David Braz e Paulo Miranda. Há a possibilidade de Renato fazer outras mudanças.

Ainda sem Mano, o Bahia será comandado pelo treinador interino Cláudio Prates, que não poderá contar com o volante Ronaldo, suspenso, e com o lateral Juninho Capixaba, este por pertencer ao rival.

Estes, inclusive, deverão ser os únicos desfalques para o duelo. Edson, que sequer vinha sendo aproveitado pelo ex-técnico Roger Machado, treinou entre os titulares, formando o quarteto com Gregore, Daniel e Rodriguinho. Na lateral-esquerda, Zeca volta a ter mais uma oportunidade como titular.

Por outro lado, Prates também poderá optar pelo retorno do goleiro Douglas Friedrich, recuperado de lesão. Ele treinou normalmente, mas sua escalação ainda é uma incógnita, até porque o clube tem como costume não divulgar os relacionados. Mateus Claus está sob aviso.

Mesmo com os dias contados como interino, Prates espera que os jogadores se doem ao máximo em campo. "Esta é a característica do Bahia, muita garra e disposição. Os jogadores precisam se doar um pouco mais para ganharmos e retomamos a confiança" explicou o interino. Mano Menezes deve ser apresentado ao grupo de jogadores na sexta-feira.

Há cinco jogos sem vitória, desde quando bateu o Red Bull Bragantino, por 2 a 1, o Bahia entra na rodada com nove pontos, tentando se aproximar da zona da Copa Libertadores.

A partida será acompanhada in loco por Mano Menezes, que vai assumir oficialmente o comando da equipe no treino do dia seguinte. O treinador de 58 anos assinou contrato até o final de 2021. Ele chega para substituir Roger Machado, demitido na semana passada após a derrota da equipe para Flamengo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.