Bahia busca a salvação em Jundiaí

Pelo terceiro ano consecutivo o Bahia, dono da maior torcida na região Nordeste e duas vezes campeão brasileiro (1959 e 1988) tem um final de temporada melancólico. Neste sábado, na partida que disputa contra o Paulista em Jundiaí, o time luta para fugir do rebaixamento para a 3ª divisão do Brasileiro.O melhor que pode acontecer é vencer (ou empatar e torcer por uma combinação improvável de resultados) é ficar mais um ano na série B. Mesmo assim, terá quatro longos meses de inatividade pela frente, pois a próxima competição será o campeonato baiano, em janeiro. A derrota significará a terceira divisão, mais uma humilhação para a fiel torcida tricolor, que só tem amargado tristezas ultimamente. Essa derrocada se explica por uma série sucessiva e incrível de erros da direção, principalmente a falta de planejamento que se refletiu até no âmbito regional já que o rival, Vitória é tetra campeão baiano. Após a queda para a Série B no final de 2003, o Bahia até que se arrumou para tentar voltar à série A, em 2004. O técnico Osvaldo Alvarez, o Vadão, contratado para montar o novo time, conseguiu levar a equipe até a disputa por uma das duas vagas da elite, mas o Bahia, negou fogo e foi goleado pelo Brasiliense em casa, na última rodada da Segundona e deu adeus ao sonho. A partir da saída de Vadão, o Bahia começou a descer a ladeira sem freios e está chegando à última rodada da série B, com mais um drama, que é o de não cair para a série C. Na rodada anterior, o Bahia derrotou o Santo André por 3 a 0 na Fonte Nova, dando algum alento e esperança aos jogadores, mas para enfrentar o Paulista em Jundiaí, o time perdeu dois atacantes fundamentais: Uéslei que recebeu o terceiro cartão amarelo e Viola que não se recuperou de uma contusão. Com isso, apenas o experiente Dill, estará no ataque tentando fazer os gols que o time precisa para não cair. O restante do time é formado na sua maioria por ex-juniores, o que por outro lado pode aumentar a garra do Bahia. O técnico Procópio Cardoso, o quarto treinador do ano, contratado nas últimas rodadas para tentar livrar o Bahia do rebaixamento, tenta fazer mistério e diz que pode mudar a formação da equipe até minutos antes do jogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.